[Resenha] Mentirosos - E. Lockheart

Recomendo a não ler a sinopse se quiser ler o livro.

Os Sinclair são uma família rica e renomada, que se recusa a admitir que está em decadência e se agarra a todo custo às tradições. Assim, todo ano o patriarca, suas três filhas e seus respectivos filhos passam as férias de verão em sua ilha particular. Cadence - neta primogênita e principal herdeira -, seus primos Johnny e Mirren e o amigo Gat são inseparáveis desde pequenos, e juntos formam um grupo chamado Mentirosos.


Durante o verão de seus quinze anos, as férias idílicas de Cadence são interrompidas quando a garota sofre um estranho acidente. Ela passa os próximos dois anos em um período conturbado, com amnésia, depressão, fortes dores de cabeça e muitos analgésicos. Toda a família a trata com extremo cuidado e se recusa a dar mais detalhes sobre o ocorrido… até que Cadence finalmente volta à ilha para juntar as lembranças do que realmente aconteceu.



Autora: E. Lockheart | Editora: Seguinte | Gênero: YA Contemporâneo  | Série: Não | Nota: 5/5 [Favorito]

Esse livro foi uma cortesia da editora Seguinte. 
Aah.

Essa é a única sílaba que me vem à cabeça quando penso nessa história. Aah. Um suspiro. Não é um suspiro daqueles que a gente dá quando vê uma cena romântica no final daquele filme, nem de cansaço do tipo: "falo sobre isso depois", e nem do tipo que se prepara para falar de algo que tem péssima qualidade.

[Resenha] A Vida do Livreiro A. J. Fikry - Gabrielle Zevin

Uma carta de amor para o mundo dos livros. “Livrarias atraem o tipo certo de gente”. É o que descobre A. J. Fikry, dono de uma pequena livraria em Alice Island. O slogan da sua loja é “Nenhum homem é uma ilha; Cada livro é um mundo”. Apesar disso, A. J. se sente sozinho, tudo em sua vida parece ter dado errado. Até que um pacote misterioso aparece na livraria. A entrega inesperada faz A. J. Fikry rever seus objetivos e se perguntar se é possível começar de novo. Aos poucos, A. J. reencontra a felicidade e sua livraria volta a alegrar a pequena Alice Island. Um romance engraçado, delicado e comovente, que lembra a todos por que adoramos ler e por que nos apaixonamos.

Autora: Gabrielle Zevin | Editora: Paralela | Gênero: Contemporâneo  | Série: Não | Nota: 4/5

Esse livro foi uma cortesia da editora Paralela. 

A Vida do Livreiro A. J. Fikry foi uma grata surpresa. Quando solicitei esse livro para a editora Paralela, eu imaginava que iria gostar, mas não achava que iria me encantar tanto com a história como aconteceu. Como o título já diz, a premissa é a história de vida do A. J., um livreiro um tanto depressivo e sua única preocupação sendo ir para a livraria todos os dias e voltar para casa somente para comer comida congelada e beber. Aah e também há um livro em uma edição raríssima que é o maior tesouro da vida dele. 

[Resenha] Angefall - Susan Ee



Já passaram-se seis semanas desde que os anjos do apocalipse dizimaram o mundo moderno. Gangues de rua governam o dia enquanto o medo e a surpestição regem a noite. Quando os anjos guerreiros levam uma garotinha indefesa, sua irmã Penryn de dezessete anos não descansará até encontrá-la. Ela está disposta a tudo, até mesmo um acordo com o inimigo. Raffe é um guerreiro quebrado e sem asas. Após séculos de lutas, ele se encontra sendo resgatado por uma garota quase morta de forme. Viajando através da sombria California, eles possuem apenas um ao outro para sobreviver. Juntos, eles vão à fortaleza de São Francisco, onde ela vai arriscar tudo para salvar sua irmã e ele vai se colocar à mercê de seus maiores inimigos por uma chance de ser inteiro novamente.*


Autora: Susan Ee | Editora: Feral Dream | Gênero: Fantasia  | Série: Sim | Nota: 5/5 [Favorito]

Eu gosto de livros sobrenaturais, ok? Não me canso deles, nem um pouquinho. Posso ficar um tempo sem ler, para dar prioridade a outras leituras, outros gêneros, mas sempre volto para os meus amados. É claro que alguns me agradam mais que outros, e as vezes eu fico puta da vida com os personagens ou o enredo, mas é uma relação de amor duradoura. E o mais legal de tudo foi que eu consegui "contagiar" a minha irmã, e foi por causa dela que eu li Angelfall, ela me indicou o livro e abençoada seja, por que o livro é F-A-N-T-Á-S-T-I-C-O.

Top 5: Metas literárias para 2015


Eu espero, sinceramente, que em 2015 eu possa dar mais atenção ao blog e as minhas metas literárias, eu quero muito isso, e como dizem: "querer já é metade do caminho". No ano passado, eu tive muita dificuldade em administrar o tempo, por isso, o blog ficou abandonado, e as metas foram esquecidas, cheguei até a cogitar a possibilidade de parar, mas eu não consegui, fazem três anos que eu escrevo aqui, e parar me deixaria muito triste. Eu vou continuar, mesmo que eu poste menos, e vou diversificar o conteúdo do blog, o que eu já queria fazer há algum tempo, geralmente só resenho livros, e nesse ano pretendo falar sobre outras paixões: mangás, HQ's e animes. Espero que gostem.



Sobre... O que 2014 trouxe de bom


Nesses meus 25 anos de vida, 2014 foi sem sombra de dúvida o ano mais intenso, maluco e divertido. Eu aprendi tanto, conheci várias pessoas que se tornaram amigos queridos, e pude enfim tirar alguns projetos da gaveta, e realizá-los. Eu sou grata pelas oportunidades e desafios que o ano de 2014 me trouxe, por que a minha vida mudou, não só financeiramente, mas também me sinto uma pessoa diferente, muito mais responsável, menos tímida, e mais disposta a aprender e a ouvir os outros. Eu espero sinceramente que 2015 seja ainda melhor! 

Como um último balanço do ano que passou, eu escrevi esse post para falar um pouco sobre meus pontos altos de 2014.

Trabalho
O ponto alto do meu ano foi começar a trabalhar, e nossa, ter meu próprio dinheiro, foi uma mudança significativa na minha vida. Além desse lado de ser responsável pelas contas da casa e etc e tal,. eu tive que aprender a lidar com a minha timidez, o que não foi fácil, exigiu muito de mim, e ainda exige. Além de fazer a minha parte eu acabei acumulando função, o que foi uma LOUCURA total, mas muito gratificante, pois apesar de todo stress (quando meu telefone tocava, eu quase arrancava os cabelos) eu consegui dar conta, o que me deixou mais confiante, sim, eu posso lidar com isso! Além de tudo, tive a oportunidade de conhecer pessoas incríveis, que hoje posso chamar de amigos. <3

Kpop
Se tem alguma coisa que marcou meu ano, foi ter descoberto a magia do KPOP, sério, É MUITO BOM, e completamente viciante, eu recomendo a todos! Foi em maio que eu comecei a ouvir o GOT7, fiquei viciada, mas pensei que logo passaria, aí veio a curiosidade de saber mais sobre os integrantes da banda, e o amor só foi aumentando, hoje não sei viver sem. E para piorar minha situação, kpop é um vórtice que suga você, quando você começa não consegue parar mais.

Coleções
Um dos meu grandes sonhos na vida era poder ter uma blythe, eu fiquei namorando elas no site We love Blythe, por alguns anos, até ter a oportunidade de poder comprar a minha, e depois da primeira, veio a segunda e a terceira, e ainda tem mais por vir. Colecionar blythes é uma hobbie delicioso, e o fato delas serem completamente customizáveis, me deixa cheia de ideias na cabeça. Falei mais sobre elas nesse post. Se quiserem ver fotos das minha dolls, acessem meu flickr.

Tessa virtue e Scott Moir
No começo de 2014 aconteceu na Rússia as Olimpíadas de Inverno, e confesso que até 2010 achava o evento um desperdício de dinheiro. Eu tinha uma visão limitada de que, categorias como o ice dance, entre outras, não eram esporte, porque toda a minha bagagem como torcedora, vinha de um esporte de massa como o futebol, então até eu entender que existem outras formas de esporte e de torcer levou um tempo. Mas enfim, em 2010 eu acompanhei todas as competições de ice skating e ice dance, sendo o primeiro o meu preferido, aqueles saltos maravilhosos e desafiadores me deixaram de queixo caído, mas eis que em 2014 tudo mudou e eu fui conquistada pelo ice dance, eu me emocionei com cada patinador, mas foram as apresentações da Tessa Virtue e o Scott Moir, que me fizeram chorar, tamanho era a carga de sentimento com que os dois se apresentavam, eu agradeço a eles por terem deixado o meu ano mais lindo.

26 coisas para fazer em 2015


As promessas de fim de ano tem uma péssima fama, afinal. por que é tão difícil tirar elas do papel? Eu, por exemplo, não lembro da última vez que cumpri uma promessa dessa, shame on me, mas enfim, também nunca corri atrás, e assim fica realmente difícil impossível. Mas como é de praxe, não pude deixar de criar essa lista, depois que terminei percebi que a maioria são coisas simples, e dependem bascimente de força de vontade, um pouquinho de dinheiro, paciência e disposição.

Mas por que 26 coisas?
Em 2015 eu faço 26 anos, e cheguei a conclusão de que eu sou uma pessoa acomodada, eu tenho mil sonhos e planos, mas nunca os coloco em prática, e preciso mudar, preciso ser mais ativa e correr atrás dos meus sonhos, e se eu não conseguir me organizar para por em prática itens básicos dessa lista, eu estou em sérios problemas.