[Resenha] The Duff - Kody Keplinger


Sinopse: Seventeen-year-old Bianca Piper is cynical and loyal, and she doesn't think she's the prettiest of her friends by a long shot. She's also way too smart to fall for the charms of man-slut and slimy school hottie Wesley Rush. In fact, Bianca hates him. And when he nicknames her "Duffy," she throws her Coke in his face.  But things aren't so great at home right now. Desperate for a distraction, Bianca ends up kissing Wesley. And likes it. Eager for escape, she throws herself into a closeted enemies-with-benefits relationship with Wesley. Until it all goes horribly awry. It turns out that Wesley isn't such a bad listener, and his life is pretty screwed up, too. Suddenly Bianca realizes with absolute horror that she's falling for the guy she thought she hated more than anyone.

Autora: Kody Keplinger | Editora: Little Brow/Poppy | Título Original: The Duff | Gênero: YA | Série: Não | Nota: 5/5 + Favorito

Eu amo YA, principalmente os contemporâneos, porém, já tinha algum tempo que eu não lia nada assim, comecei The Duff, como uma leitura despretensiosa, não imaginava que a cada virada de página eu ia me apaixonar tanto por esses personagens, geralmente é assim, você começa um livro, e não imagina que aquela história vai ter marcar para sempre. Esse livro é bom, não só por que ele tem um romance imprevisível e viciante, mas também por discutir ligações importantes, como família, amizade e auto-estima de uma forma tão bonita. 

Bianca esta com problemas em casa, os seus pais estão se divorciando, e esta sendo difícil lidar com a situação. Era inevitável, ela sabia, sua mãe passava mais tempo na estrada a trabalho, do que em casa com a família, e quando ela mandou os papéis do divórcio pelo correio, Bianca sabia que aquilo destruiria o seu pai, só não imaginou que a situação fosse ficar tão feia.

Para extravasar toda essa situação delicada, Bianca vê nos braços de Wesley Rush, a melhor solução. Ele é o cara mais popular da escola, é arrogante, vaidoso, e muitas vezes idiota, mas é o único que a faz esquecer dos problemas. Ao contrário de todas as suas amigas, ela não morre de amores por ele, na verdade, ela o odeia mentira, mas ela gosta de acreditar nisso. Wesley é um personagem, que tinha tudo para me desagradar, principalmente com a história do DUFF, que é uma sigla horrível para designar, a garota mais "feia" de um grupo de amigas, contudo, foi impossível, a medida que a leitura avançava, não se cativar pelo personagem, que pode parecer um imbecil, mas no fundo, é o único com o qual Bianca consegue ser ela mesma, tranquilamente.

Bianca, é sem dúvidas uma das minhas personagens favoritas, ela é inteligente, sarcástica, independente, e precisa enfrentar uma barra pesada, é claro que, o divórcio, não é uma situação atípica nos dias de hoje, mas passar por isso é difícil, falo por experiencia própria, mesmo quando a situação parece inevitável. Somado isso, ao fato de não conseguir se abrir com suas amigas, por medo de expor uma situação tão delicada, Bianca procura uma solução rápida e fácil para esquecer os problemas. Wesley Rush, é como uma droga.

Porém, nada é tão simples, a medida que passa a maior parte do tempo com ele, é inevitável que os dois criem uma intensa ligação. Bianca e Wesley, começam uma relação puramente carnal, mas aos poucos, se transforma em algo mais, por que os dois não só dividem intensos momentos de luxúria, mas também, compartilharam seus momentos de maior fraqueza, e isso deixa Bianca completamente apavorada, como poderia estar apaixonada pelo o cara que vive a chamando de Duff?

Wesley é um mocinho atípico, ele é convencido, mulherengo, e arrogante, e a principio você não pode imaginar que ele seria o cara perfeito para Bianca, por que, ele vive a chamando por um apelido que balança a sua auto-estima, e isso me deixou com muita raiva, não é por que ela não é alta, ou não tem seios grandes, um cabelo liso, ou olhos claros, que ela não seja bonita, existem diferentes tipos de beleza, e nem sempre quem tem uma boa aparência, vale a pena de verdade. Mas, ele se redime, eu prometo.

Esse livro entrou para os meus favoritos, por que tem uma história muito gostosa de ler, descomplicada, mas que não deixa de falar sobre assuntos importantes, de uma forma leve e natural. O romance é um dos mais inusitados que eu já encontrei, nunca um mocinho me tirou tanto do sério, mas Wesley é tão charmoso, que me fez ficar tão apaixonado por ele quanto Bianca. Recomendo!

*A Novo Século detêm os direitos de publicação do livro no Brasil. Mas ainda não foi lançado. 

[Patinação Artística] Ice Dance


Esse é um post totalmente aleatório, eu poderia escrever um sobre a patinação artística de uma forma geral, já que é um dos esportes mais belos que eu já vi, mas, aproveitando que hoje começa a final do Ice Dance, resolvi fazer esse post especial para falar um pouquinho da dupla canadense, Tessa Virtue e Scott Moir (e principalmente mostrar um monte de gif), meus favoritos.

Infelizmente, eu só acompanho as competições de patinação durante as Olimpíadas, mas isso não me impede de ser fã. A beleza desse esporte emocionante me contagia tanto, que eu chego a chorar as vezes, e sofro de ansiedade, em cada salto, spin, ou levantamento. Eu gosto de todas as modalidades, mas foi com o Ice Dance, principalmente, depois que descobri a dupla mais linda de todos os tempos, que eu realmente comecei a amar o esporte. 



Entrosamento é fundamental no ice dance, e a sintonia entre Scott e Tessa, os diferencia dos outros, a beleza de suas apresentações enche meu coração de alegria, é carregada de sentimentos, de amor, ternura, companheirismo, como nenhuma outra dupla consegue passar, pelo menos eu acho, a sensação é tão bonita, que é impossível não se emocionar. Inclusive, eu achava que os dois tivessem algum tipo de envolvimento romântico, mas não, ao que tudo indica, eles são só amigos, o que me leva a uma situação engraçada, eu nunca torci tanto na minha vida para duas pessoas ficarem juntas.



Tessa e Scott ganharam a medalha de ouro em 2010 nas Olimpíadas de Vancouver, com certeza, um dos momentos mais emocionantes de suas carreiras, ganhar em casa é o sonho de qualquer atleta, inclusive, depois dessa conquista eles lançaram o livro, Tessa and Scott: Our Journey from Childhood Dream to Gold, contado sobre o início de suas carreira que começou quando eles ainda eram crianças, em 1997, até o ouro olímpico. Além da conquista olímpica, eles ganharam diversos prêmios, e ainda detêm o recorde de maior nota em sua modalidade, dada pelo atual sistema de pontuação. Infelizmente, acho que dessa vez a medalha vai para o dupla americana, que veem garantindo melhores resultados, mas não importa, estarei na torcida com o coração na mão, já que depois dessa competição eles irão se aposentar.


 
  Coisa fofa!

  


Vou colocar alguns vídeos, mas se quiserem ver mais, é fácil encontrar no youtube.



Obs: O ice dance apareceu nos Jogos Olímpicos de Inverno pela primeira vez em 1976, e tem elementos de dança de salão, não permite, como no pair skating (a outra modalidade em duplas), arremessos e saltos.

[Resenha] A desconstrução de Mara Dyer - Michelle Hodkin

Sinopse: Um grupo de amigos... Uma tábua ouija... Um presságio de morte. Mara Dyer não estava interessada em mensagens do além. Mas para não estragar a diversão da melhor amiga justo em seu aniversário ela decide embarcar na brincadeira. Apenas para receber um recado de sangue. Parecia uma simples piada de mau gosto... até que todos os presentes com exceção de Mara morrem no desabamento de um velho sanatório abandonado. O que o grupo estaria fazendo em um prédio condenado? A resposta parece estar perdida na mente pertubada de Mara. Mas depois de sobreviver à traumática experiência é natural que a menina se proteja com uma amnésia seletiva. Afinal, ela perdeu a melhor amiga, o namorado e a irmã do rapaz. Para ajudá-la a superar o trauma a família decide mudar para uma nova cidade, um novo começo. Todos estão empenhados em esquecer. E Mara só quer lembrar. Ainda mais com as alucinações - ou seriam premonições? - Os corpois e o véu entre realidade, pesadelo e sanidade se esgarçando dia a dia. Ela precisa entender o que houve para ter uma chance de impedir a loucura de tomá-la....

Autora: Michelle Hodkin | Editora: Galera Record | Título Original: The Unbecoming of Mara Dyer | Gênero: YA | Série: Sim (3) | Nota: 5/5

Esse livro, primeiramente, me conquistou pela capa, que é uma das mais belas da minha estante, depois, pelo book trailer (assistam!!), por isso eu esperei ansiosamente esse lançamento da Galera Record, e foi bem o que eu esperava, uma história sombria, que brinca o tempo todo com a cabeça do leitor, nos desafiando a descobrir se o que esta acontecendo é real ou não, e olha, a autora fez isso muito bem, por que estou até agora tentando entender algumas coisas, e morrendo de medo do rumo que a história pode tomar.  

Geralmente, não gosto de livros que terminam sem conclusão, mesmo que seja o primeiro de uma série, mas foi impossível ficar chateada com o final desse livro, eu fiquei mesmo foi embasbacada, com vontade de esganar a autora, por dá um nó na minha cabeça. Fico me perguntando, como um autor pode ser tão sádico assim com seus leitores. Michelle, porquê? 

Em uma noite, Mara e três amigos, decidem invadir um prédio abandonado, é uma brincadeira comum entre os jovens da cidade, mas naquela noite, uma terrível tragédia acontece. O prédio desaba, e os amigos de Mara morrem, somente ela sobrevive, com pouquíssimos ferimentos e sem lembrança nenhuma do que aconteceu. Traumatizada, a família decide se mudar para Miami, em busca de um novo começo. Mas é aí que uma série de estranhos eventos, passam a fazer Mara questionar a própria sanidade, e a lutar para se recordar daquela noite.

A autora soube deixar os leitores completamente confusos, justamento como Mara, não sabemos se o que esta acontecendo é real ou não, e essa linha entre realidade e loucura é tênue, e é justamente esse elemento que me fez ficar tão interessada na história, certos momentos eu tinha certeza de que tudo o que estava acontecendo com Mara era loucura, mas é impossível manter essa certeza.

Mesmo passando por situações complicadas, Mara não divide com mais ninguém seus recentes problemas, principalmente, por medo da mãe a internar em um hospício, mas ela encontra um refúgio, e seu nome é Noah Shaw, que vai desempenhar um importante papel em sua vida. Noah é um personagem intrigante, e assim como Mara, não resisti ao seu charme, ele é sincero e melancólico, e tem um segredo que fez minha cabeça quase explodir. 

O final, me deixou assim: COMO ISSO É POSSÍVEL? NÃO ACREDITO, E AGORA O QUE VAI ACONTECER? Além disso, antes da história começar, nós lemos um bilhete que começa assim: "Meu nome não é Mara Dyer, mas meu advogado disse que eu precisava escolher alguma coisa..." Como disse mais acima, eu não sei o que esperar do rumo dessa história, tudo pode acontecer, e imagino que vai mesmo. Espero que no próximo volume tenha algumas respostas para aplacar minha ansiedade. 

Top 10: Livros que preciso ler em 2014


Claro que, existem mais que 10 livros que eu quero ler esse ano, mas nessa lista, eu separei aqueles que são os mais desejados, livros que por algum motivo não deu para comprar, que eu não tive tempo de ler, ou que ainda vão ser lançados. Espero que gostem!


O Cavaleiro de Bronze - Paullina Simons 
Veja só como são coisas são, vi a capa desse livro inúmeras vezes ano passado, e nunca me interessei em saber sobre o que se tratava a história. Mas agora, depois de ver esse vídeo aqui, essa é a minha nova obsessão literária. Aproveitando que em 2014, eu estipulei como meta, ler romances históricos, essa é uma escolha perfeita, a história promete ser linda e emocionante, só não li ainda, por que a editora decidiu que dividir o primeiro volume em dois seria uma ideia legal, quero completo quando começar a ler.

A Viajante do Tempo - Diana Gabaldon
Mais um romance histórico! Estou super curiosa para ler esse livro, nem mesmo suas mais de 800 páginas me desanimam, só me falta tempo. Qualquer coisa que envolve viajem no tempo, me deixa animada, e o romance, pelo que eu li em várias resenhas, é lindo.

Terra Ardente - Janice Diniz
Uma vontade que sempre tive, foi ler algum romance que envolve cowboys, mas nunca encontrei um que realmente tenha me chamado atenção. Foi só depois de ler uma resenha de Terra Ardente, no blog Livros e Fuxicos, que eu fiquei babando por esse livro. Espero que a leitura seja muito boa, por que tenho altas expectativas.

Moon Called - Patricia Briggs
Depois que minha irmã começou a ler essa série, ela vive me dizendo que preciso ler também. Eu já queria, mas com esse estímulo, vai acabar passando na frente dos outros. Adoro o fato da protagonista ser independente, tatuada e corajosa. As capas da série são fantásticas!

O nome do vento - Patrick Rothfus
Sabe aquele livro, que todo mundo fala tão bem, que você precisa conhecer? É o que estou passando com esse, além da Mel, do blog Livros de fantasia, já ter me indicado ele faz um tempo, vários vlogueiros que eu acompanho, escolherem ele como uma das melhores leitura de 2013, preciso ou não ler?



Louco aos poucos - Libba Bray
Quando eu li a sinopse desse livro pela primeira vez, eu pensei "isso é tão doido, que deve funcionar". Tem um deus nórdico, um garoto com doença da vaca louca, um anão com uma mãe super protetora, uma anja punk, tudo isso numa road trip, tem que ser bom.

O Herói Perdido - Rick Riordan 
Em janeiro eu terminei de ler Percy Jackson e os Olimpianos, e se tornou uma das minhas séries favoritas, naturalmente, quero continuar acompanhando os personagens que tanto amo em novas aventuras.

Eleanor e Park - Rainbow Rowell
Eu amo YA contemporâneo, e esse está no top da minha lista de desejados faz tempo, enfim a Novo Século vai lançar. Sinto que esse livro vai partir meu coração, e tenho certeza que vou amar isso.

Feitiços e Sutiãs - Sarah Mlynowski
Esse livro tem uma sinopse fofa, que me deixou encantada, e super curiosa para ler a série (4 livros), o único problema é o preço, porquê tão caro?

Os e-mails de Holly - Holly Denhan
Quando eu comecei o meu blog em 2011, esse foi um dos lançamentos que mais me deixou curiosa, adoro livros narrados em formato de e-mails, sms, etc., só não li até hoje, porque o preço é bem salgado, e eu sempre tenho outras prioridades. 

Resenha: A Princesa Leal - Philippa Gregory


Autora: Philippa Gregory | Editora: Galera Record | Título Original: The Constant Princess Gênero: Historical Fiction | Série: Sim (6) | Nota: 4/5 

A Princesa Leal é o primeiro livro – em ordem cronológica das rainhas, explico isso mais tarde – da série Tudors e vai contar a história da Catalina e mais tarde Catarina de Aragão que foi princesa da Espanha e destinada a casar com o próximo rei da Inglaterra, Artur. Contudo, somente após alguns meses de casamento, Artur acaba morrendo de uma determinada doença que a minha cabeça não consegue lembrar o nome.

Então, Artur morreu e coroa passaria para o próximo herdeiro, mas como Catarina não tinha engravidado, a coroa passou para o irmão de Artur: nosso querido e amado Henrique VIII. E é aí que a corte pega fogo, minha gente.

Catarina cresceu com a ideia de que sempre fora princesa de Gales e iria morrer sendo rainha ou mãe de um rei da Inglaterra, só que a morte de Artur, além de despedaçar o coração da pobre Catarina, já que ela realmente o amava, despedaça também tudo o que ela acreditou que estava destinada a se tornar, porque não havia nenhum acordo para ela se casar com o irmão dele. Mas como Catarina não é o tipo de mulher que deixa as outras pessoas decidirem a vida dela, resolve ir atrás e se casa com Henrique se tornando rainha da Inglaterra.

*Tudo isso que eu falei não é spoiler tá gente? Está tudo na Wikipédia ;)

Nesse livro, a Philippa resolve dar uma da Doctor Who, e conta a história como se ela estivesse mesmo lá. Ela pegou os fatos da história, costurou, deu uma conferida aqui e ali, colocou o seu toque pessoal e construiu um romance. E ela soube fazer isso como ninguém. Pensem só, deve ter sido uma coisa um tanto difícil, porque envolve lotes de pesquisa e ainda resistir a vontade de não se intrometer na vida dos personagens e mudar a história, mas a Philippa conseguiu organizar de tudo de uma forma muito legal, dividindo o livro por períodos e datas ao contrário de usar capítulos.

E a escrita dela é muito maravilhosa, tipo, é feita para ser degustada.

Também gostei muito da forma como a autora retratou os personagens. Amei a Catarina e tantas vezes tive vontade de entrar no livro, abraça-la e dizer que tudo iria terminar bem. Algumas pessoas podem achar que ela foi egoísta e insensível por sair correndo atrás do Henrique logo após a morte do Artur, sendo que ela o amava, mas tem um motivo para isso e esse motivo faz com que a gente goste dela ainda mais. A Philippa também deu um pouco de foco aos pais da Catarina, Fernando de Aragão e Isabel de Castela, o que eu achei muito legal, porque eles fazem grande parte da pessoa que ela é.

Não gostei muito de Artur no início, mas depois ver a relação dele com a Catarina e ver que ele seria um rei maravilhoso para a Inglaterra acabou mudando a minha opinião. Agora vamos falar sobre o protagonista da série (protagonista até um certo momento, porque né), Henrique VIII. Ele não é tão querido e amado como eu falei anteriormente, estava sendo sarcástica, pessoal. Adorado talvez, na verdade, mimado e adorado até demais, mas querido nunca. Artur teria sido um rei tão melhor do que ele chegaria perto de ser. Egoísta e nunca sabia direito o que fazer para o reino. Mas isso era um pouco esperado, porque ele era somente um menino que nunca foi preparado para ser rei, porque ninguém imaginava que ele seria rei algum dia e achava que podia controlar tudo. Não tenho certeza se posso culpa-lo e na maioria das vezes só senti que ele precisava amadurecer. Mas não li os outros livros ainda.

A história não é novidade e a gente já tem uma boa ideia de como ele termina sabendo que o próximo livro fala sobre Ana Bolena. Vi muitas pessoas dizendo que essa série conta a história de todas as esposas do Henrique VIII, mas aí eu não tenho tanta certeza, porque o último livro conta a história da Mary Stuart e ela não casou com o Henrique. O nome da série já diz que é sobre os Tudors e a Mary é meio que uma sobrinha ou sobrinha-neta do Henrique.

Não tenho muita coisa para falar sobre ele, mas eu gostei muito desse livro. É um manjar para quem ama história e é por isso que eu não recomendo esse livro para todo mundo não. A pessoa tem que gostar muito de história ou curtir essa coisa de reis, rainhas e intrigas da corte. A única coisa que me incomodou um pouco foi a parte após a morte do Artur e anterior ao casamento da Catarina com o Henrique, porque não acontece praticamente nada de grande, só algumas coisinhas que virão as ser importantes no fim, então para quem pretende ler: força!

Sou apaixonada por história, tanto que acredito que se não quisesse jornalismo poderia até arriscar e querer estudar história :D, por isso gostei tanto do livro. É uma boa pedida para quem gosta de castelos, vestidos e intrigas políticas e uma escrita de dar inveja.

Explicando a série: O primeiro livro lançado foi A Irmã de Ana Bolena e A Princesa Leal conta da primeira rainha. Não interessa muito a ordem que você lê, mas é interessante ler na ordem cronológica para ver todas as rainhas e depois a dinastia Tudor terminando e tal. 

É isso pessoal!

Beijinhos

Resenha: O Azarão - Markus Zusak


Autora: Markus Zusak| Editora: Bertrand| Título Original: The UnderdogGênero: YA| Série: Sim (3)|Nota: 4/5 

Já estamos em fevereiro, e só agora, deu tempo de postar a resenha do primeiro desafio do Volta ao mundo em 12 dias, o objetivo de janeiro, era ler um livro do autor Markus Zuzak, eu queria reler A menina que roubava livros, já que eu nunca resenhei ele aqui no blog, mas como o meu está emprestado, decidi conhecer outro livro do autor. Então eu escolhi O Azarão, a história é interessante, mas eu não fiquei muito impressionada, acho que por ser o primeiro livro dele, lançado em 1999, ele ainda não tinha aquela escrita mágica que tanto me emocionou. 

Nesse livro, nós acompanhamos o dia-a-dia de Cameron, o filho mais novo da família Wolfe, como ele mesmo diz, no começo do livro, a história que ele nos conta sobre sua vida, seus desejos e amores, não é extraordinária, não tem momentos impactantes, ou uma grande tragédia, o que ele nos mostra, são seus valores, seu relacionamento com a família, seu desenvolvimento pessoal, e como eu disse, apesar de não ter me impactado tanto, adorei a forma como autor passa todos os conflitos internos de um adolescente, que esta começando a tomar consciência do mundo ao seu redor.

O livro é curtinho, e nele nós conhecemos um pouco da rotina de Cameron, e sua família, é tudo muito simples, mas é por isso mesmo, que é interessante, mesmo que possa soar ao contrário, adoro personagens introspectivos, que vêem a vida com um olhar sonhador, e que são cheios de questionamentos, que faz nós mesmos, parar e pensar. 

O relacionamento mais interessante é com o irmão mais velho, Ruben, por quem tem sentimentos contradizentes, exista a admiração, mas também o medo, a parte mais memorável, porém, são os questionamentos acerca do amor, lindos e inocentes, típicos da idade. Foi uma leitura agradável,  é muito gostoso acompanhar um personagem que está crescendo e tentando entender a si mesmo, e tudo ao seu redor, vou acompanhar a série, ainda bem que já foi toda lançada aqui no Brasil.   
"Talvez tudo o que eu saiba é que, naquele dia, na varanda da frente, quando observei Sarah e Bruce, senti alguma coisa e jurei que, se um dia eu tivesse uma namorada, eu a trataria direito e nunca seria mau nem safado com ela, nem a magoaria. Nunca. Jurei e tinha toda a confiança do mundo de que maneria a promessa._ Eu a trataria direito - falei._ Trataria."