Resenha: Ladrão de Olhos - Jonathan Auxier / Leya



Título Original: Peter Nimble and His Fantastic Eyes
Ano de Lançamento: 2011
Páginas: 424

Cheguei a uma conclusão, que já deveria ser óbvia para mim, que meus livros favoritos são fantasias infanto-juvenis, isso deve explicar o quanto eu fiquei empolgada quando li a resenha de Ladrão de olhos no blog Fallen In Me, foi amor à primeira vista, fui dominada pela sensação “preciso disso agora”, e foi o que eu fiz.

Só demorei um pouquinho para ler, por que estava passando por um período difícil, onde nenhum livro estava me interessando. Mas passado esse período negro, me dediquei a leitura desse livro, e QUE FOFURA MAIS LINDA, eu amei demais.

Logo de cara eu fiquei com uma dó danada de Peter, primeiro por que ele foi abandonado e jogado em um cesto no mar, isso lhe custou a visão, por que nesse período que passou até ser encontrado por alguns marujos, pássaros o cegaram.

É ou não é para ficar com dó do menino, ele nunca mais encontrou os pais, cresceu nas ruas de uma cidade portuária, e por ali ele praticou a arte da ladroagem, o fato de não poder enxergar aprimorou seus outros sentidos, e desde muito pequenininho, já era conhecido como o maior ladrão que já existiu.

Essa sua habilidade incrível logo chamou a atenção do charlatão Sr. Seamus, que lhe prometeu mundos e fundos, e o convenceu a ir morar em sua casa, onde teria comida, uma cama para dormir e até um bichinho de estimação. Mas não era nada daquilo, o Sr. Seamus queria era explorar a habilidade de Peter, e viver daquilo.

Peter era obrigado a roubar para sustentar o sr. Seamus, que só o maltratava, mais mesmo assim ele não ia embora, não tinha mesmo para onde ir e por isso ele aguentava todo aquele sofrimento.

Mas tudo mudou em sua vida quando um dia ele se deparou com um vendedor na praça local. Por não ter a visão, os outros sentidos de Peter são bastante aguçados, principalmente o olfato, quando ele encontrou a aglomeração na praça, logo foi atraído por um cheiro muito diferente que vinha da carruagem do caxeiro, que o pegou roubando e o obrigou a participar de sua apresentação, mais assim que surgiu a oportunidade ele foi averiguar ao que pertencia àquele cheiro.

Quando Peter arrombou a carruagem, não fazia ideia que ia de encontro ao o seu destino, o que ele encontrou na carruagem foi a coisa mais estranha que já havia encontrado na vida, uma caixa com três pares de olhos, que ele descobriu mais tarde que eram mágicos.

Depois de encontrar os olhos maravilhosos, a vida de Peter mudou para sempre, ele se viu no meio de uma jornada fantástica, que dependia somente dele, para encontrar um reino perdido, e mesmo que ele não saiba, sua própria história.

E nessa jornada ele terá a companhia de alguém, muito, muito, muito diferente, Sir Tode, um cavalheiro aprisionado a um corpo metade gato, metade cavalo por um feitiço há muito tempo, e juntos eles enfrentarão um terrível deserto cheio de prisioneiros, corvos de bicos afiados, um tirano sádico e monstros marinhos para libertar o reino esquecido.
                                 
Esse livro vale muito a pena, e apesar de ter quatrocentas páginas, elas passam voando,  por que não dá para parar de ler, e torcer para que Peter Nimble, tenha um final feliz. 

Acho que vale a pena ressaltar que esse livro apesar de parecer uma fantasia, fica melhor classificado como uma história fantástica, por que sim, essas categorias são diferentes, o que eu não fazia idéia, até ler no blog da Mel, Livros de Fantasia, a respeito:
"O fantástico não apresenta qualquer explicação, as coisas simplesmente acontecem. Não há regras, não há história, não há criação de mitologia nem razões de ser. De repente o personagem entra num mundo mágico (ou em mundo estranho e diferente, não necessarimanete mágico) sem pé nem cabeça e passa por uma experiência fantástica."
E o livro é assim, ele não te dá explicação do por que a magia que ela apresenta funciona, ela simplesmente acontece, não tem razão de ser, mais está ali. Outra coisa muito interessante, e que me lembrou uma das coisas que eu mais gosto em Desventuras em série, é que muitas vezes o autor se dirige diretamente ao leitor, o que torna a leitura muito mais prazerosa.

Nota: 

Resenha: As Irmãs Grimm: Suspeitos Incomuns - Michael Buckley / Editora Pandorga



Ano de Lançamento: 2005
Título Original: The Sisters Grimm #2: The Unusual Suspects
Páginas: 280
Apesar de ter gostado bastante do primeiro volume dessa série, eu não tinha a pretensão de comprar o vol. 2 agora, mas como me deparei (na verdade quem achou foi minha irmã, e ela disse me obrigou que eu tinha que contar para vocês) com ele na livraria, resolvi levar, por que não?

Eu adorei o plot da série, a história é encantadora, não só por envolver as criaturas dos contos de fadas, como também os personagens dos clássicos da literatura mundial. Outra coisa que eu gosto bastante, e vejo não só nesse livro, mas como em outras histórias sobre contos de fadas, é a regeneração do Lobo Mau, em Fables ele é o delegado, em Grimm ele ajuda o personagem principal, e em As Irmãs Grimm ele também esta atrás de redenção, por isso ele é o fiel companheiro e amigo da vovó Grimm.

Vale ressaltar que, como eu disse na resenha do primeiro livro, os Sobreviventes vieram para os EUA por que não havia mais estabilidade para conviverem com o os seres humanos - na Europa - uma guerra e possível massacre estava prestes a acontecer, por isso os irmãos Grimm, trouxeram o máximo de sobreviventes que puderam para os EUA, mas muitos outros não vieram. Já em terras americanas, quando um grande número de seres humanos começaram a se mudar para a cidade, que aparentava ser uma cidade comum, a tensão voltou a crescer, e quando um plano macabro foi descoberto pelos Grimm, eles precisaram intervir, assim enfeitiçados, nem Grimms nem os Sobreviventes poderiam sair da cidade. O feitiço só seria quebrado quando o último Grimm morresse.

Mas os Grimms não são inocentes em relação aos Sobreviventes, sempre se mantem em alerta e vigiando bem de perto a ação deles.

Tem uma coisa que vem me intrigando muito em relação a série, que eu espero que seja um mistério a ser resolvido, e não um erro do autor, se os Grimm sofrem a ação da barreira e também não podem sair da cidade, como foi que o pai das meninas, Henry, conseguiu ir embora de lá? Espero ansiosa pela resposta.

Mas vamos enfim a resenha do livro...

No primeiro volume, a vovó Grimm e Sr. Canis haviam sido sequestrados por um gigante, e coube as meninas, Sabrina e Daphne - que não tinham nenhum conhecimento sobre o assunto, na verdade, eles não entediam só de gigantes, elas não faziam idéia de que contos de fadas eram reais - encontrá-los, então elas precisaram de ajuda, e contaram com Puck – o menino fada “pestinha” –  e com João (aquele mesmo) para os resgatar.

Além de resgatarem a vovó, as meninas também descobriram que seus pais estão vivos em algum lugar, presos por um feitiço tão poderoso, que não consegue ser quebrado por nenhum item do salão das maravilhas – que é o espelho mágico do conto da Branca de Neve, que contém um enorme salão que guarda milhares de itens mágicos coletados pelos Grimm –  o que deixa, principalmente, Sabrina muito frustrada, por que apesar de ela tentar sempre, ela não consegue chegar a lugar nenhum. Mais irritada ainda, ela fica por achar que a avó e a irmã, não estão nem aí para a condição de seus pais.

Por isso ela se torna bem inconveniente nesse livro, sua frustração exala em cada poro, e para ela cada Sobrevivente é um suspeito em potencial, por isso ela não suporta ver a vovó e a irmã convivendo tão pacificamente com eles.

Sabrina e a irmã inventam de tudo para não ir a escola, mas depois de três semanas as desculpas acabam. Logo no primeiro dia de aula tudo parece dar errado para Sabrina, enquanto Daphne se torna a mais popular de sua turma. O professor é chato, a turma só faz rir dela, alguns valentões começam a implicar, e no final do dia, acaba terminando na sala do orientador depois de dar um soco numa valentona. 

Alguma dúvida de que algo terrível acontecerá na escola, agora que as Grimm estudam lá? Então, antes de ir embora, Sabrina encontra algo horrível em sua sala de aula, o professor - um humano - foi morto, e depois que a vovó Grimm chega e começa a investigar a cena do crime, tudo leva a crer que, o crime foi cometido por um sobrevivente, e uma marca encontrada na sala, é a mesma que foi encontrada no local de desaparecimento dos pais das meninas.

Sabrina não queria se meter em outra investigação, mas esta, tem conexão direta com o desaparecimento de seus pais, e para ela todos os sobreviventes são suspeitos, isso faz com que ela se torne bastante chata, suspeitando de todos, até da pobre coitada da Branca de Neve. 

O problema é que mesmo que os Grimm e os Sobreviventes não sejam os melhores amigos, nem todos eles são ruins, mesquinhos e maldosos, ao por todos na mesma balança, Sabrina acaba ofendendo aqueles que realmente querem ajudar e querem seu bem.

O crime a princípio parece sem solução, por que tudo leva a crer, que o que matou o professor foi uma aranha gigante, mas a vovó Grimm, que é muito esperta - e engraçada - sempre consegue seguir a pista certa, e ao chegar bem próximo do real motivo do assassinato, descobre uma conspiração muito maior, que colocaria a vida de todos em risco. 

Assim como no livro 1 em que as meninas tem que resolver um mistério, o livro 2 é basicamente isso também, mas ele evolui bem, por que agora as meninas já sabem sobre os contos de fadas, novos personagens são introduzidos na história, como a Branca de Neve que tem mais destaque, e apesar de sentir que ficou meio óbvio quem eram as criaturas que estavam cometendo os crimes, a revelação do Rumpelstiltskin me surpreendeu bastante. 

Mais uma vez, A Mão Escarlate, que é uma organização que age dentro e fora da barreira de Ferryport landing é citada, ainda não fica claro o que eles querem, mais sabemos ao certo que foram eles que sequestraram os pais de Sabrina e Daphne.

O final do livro, bom não tem final, sabe quando você esta vendo um episódio muito bom da sua série preferida e no momento mais crítico, ele termina e aparece aquele famoso "to be continued", é mais ou menos assim que o livro termina, e você quer mais.

Acho que a ação mesmo da história começa a partir do terceiro, e já vou alertando a vocês de uma coisa que eu só descobri há pouco tempo, essa série tem 10 volumes, mas quando a série é boa, vale a pena. Mas é bom saber antes de ler. O final, como eu disse, é angustiante, e somos apresentados a um personagem assustador, que eu não posso dizer quem é, mais, nem um milhão de anos eu poderia imaginar que  fosse vilão, e isso o torna ainda mais sinistro.

Nota: 

Meme: Conheça o blogueiro



Oi gente, eu já tinha recebido esse meme da Dani do O Gato Leitor há um tempo, mas como é de praxe, eu sempre demoro a responder. Mas aqui estou, ok, eu ainda não li nada esse mês, mas, estou terminando de ler As vantagens de ser Invisível (Yeahhhhhhh), e já já tem resenha dele por aqui, também estou escrevendo sobre a série Academia de Vampiros, eu preferi falar da série no geral, por que se eu fizesse resenha de cada um dos livros, alguns não poderiam ler, por que não tem como não soltar spoiler entre um livro e outro, e não pensam "Argh, vampiro de novo", nananinanão, Academia de Vampiros é a MELHOR série vampiros de todos os tempos
Sobre a enquete em que pedi para vocês escolherem as próximas resenhas do blog, pois bem, houve um empate entre três livros, Eu, o desaparecido e a morta, Jogador número 1 e Insaciável, então também teremos resenhas desses livros por aqui nas próximas semanas. 


1- Quando surgiu a idéia de criar o blog?
Até o meio do ano passado eu não tinha contado com nenhum tipo de blog, para falar a verdade, nem fazia idéia que os blogs literários eram tão populares por aqui. 
Eu comprei um livro, Ler, Viver e Amar, mas não fazia idéia se era bom o ruim, na volta para casa no ônibus comecei a procurar resenhas do livro pelo celular, e encontrei o blog da Camila, o Leitora Compulsiva, desde aquele dia, eu nunca mais deixei de frequentar o blog dela e acabei conhecendo outros. 
Aí eu pensei, ah eu gosto de ler, gosto de escrever também, por que não fazer um blog também, e aqui estou eu. 

2- A origem do nome do blog?
Eu tentei um monte, acho que isso acontece com todo mundo hoje em dia. Eu já cogitei mudar o nome, mas eu fiquei bem apegada a ele, então permaneceu.

3- Você tem outros blogs além desse?
Eu já pensei, mas não, não tenho.

4- Já pensou em desistir alguma vez do seu blog?
Sim, no começo, porque não tinha retorno, pensava em desistir, mas percebi que as pessoas vinham cá comentavam e voltavam, alguma coisa eu devia estar dizendo de interessante, então eu continuei, ainda bem, por que eu adoro escrever aqui.

5- Mande uma mensagem para os seus seguidores:
Eu só tenho a agradecer, obrigado vocês que estão sempre acompanhando os posts, e comentando, me dando um retorno positivo de que gostam das resenhas, ou de algumas coisas bem loucas que escrevo de vez em quando. Alguns eu só tenho contando por aqui, mas muitos outros eu converso no twitter e facebook, e são amigos que eu gostaria que morasse mais perto de mim.


Uma música:
I wanna be where the boys are (The Runaways)

Um livro: 
A Garota Americana (Meg Cabot)

Um filme: 
O Poderoso Chefão

Um hobby: 
Artesanato 

Um medo: 
Altura (É mais um desconforto altamente desconfortável do que um medo)

Um sonho: 
Morar em Londres

Não consigo viver sem: 
Música (Minha família também, mas eu acho isso um pouco óbvio)

Qual livro você está louca para comprar: 
Belas Maldições

Do que mais gosto no meu blog: 
De poder escrever o que eu bem entender.

Qual livro você leu atualmente que te deu aquela emoção com suas surpresas e você não conseguiu parar de ler até terminar? (Pergunta da Dani)
Acho que o livro que estou lendo agora,  As vantagens de ser invisível, eu esperava me indentificar com os sentimentos do Charlie, mas, não esperava o turbilhão de emoções e situações que o livro descreve.

Resenha: O Menino do Pijama Listrado - John Boyne / Cia das Letras


Título Original: The Boy in the Striped Pyjamas
Ano de publicação: 2006
Páginas: 192




Todos nós temos gêneros literários preferidos, eu, por exemplo, adoro tramas com temas sobrenaturais, suspenses policiais e os únicos romances que eu leio, são aqueles que eu considero "não-melosos", mas existem alguns livros que, independente de qual seja a preferênica da pessoa, precisa ser conhecidos por todos, até por aqueles que não gostam de finais tristes.

E é assim que eu classifico O menino do pijama listrado, uma história linda e ao mesmo tempo triste, sobre o poder da amizade e a inocência das crianças, que não veêm diferenças sociais, e sim os outros de forma igual.

Eu, particulamente sou fã de histórias narradas do ponto de vista infantil, são as histórias que mais me emocionam, por que as crianças enxergam muito além da classe social, cor da pele, ou aparência, e ao mesmo tempo que se mostram mais espertas que muitos adultos, são inocentes em relação a tudo, isso me toca muito.

Em várias ocasiões em que me encontrava zapeando os canais de televisão, eu deparava com a adaptação da história, algumas vezes eu logo trocava de canal, pois ainda não tinha lido o livro, outras vezes eu assistia alguns minutos e assim que se encaminhava para o final, eu tirava, pois eu queria saber da história através do livro.

Acabou que, inevitavelmente eu soube do final antes de ler, porém, isso não tirou o prazer de ler cada observação perspicaz e extremamente inocente de Bruno e Shmuel.

Bruno e Shmuel são crianças, tem a mesma idade, incrivelmente, nasceram no mesmo dia, e mesmo que por mais improvável que seja, inciaram uma amizade que nenhuma ideologia racista poderia corromper.

Uma das passagens mais lindas do livro é quando Shmuel não consegue achar o pai dele em nenhum lugar,  e Bruno sugere que ele deve ter ido trabalhar em um lugar mais afastado, e que logo voltaria para ficar com ele.

O pai de Shmuel nunca voltou, assim como todas as outras pessoas que aparentemente sumiram por ali. Só que nenhum dos dois meninos fazia idéia do por que tinha uma cerca que os separava, por que só podiam conversar através dela, por que Shmuel e os outros usavam o tal do pijama listrado e por que aqueles que sumiam por ali nunca mais voltavam.

Eles não entendiam, não faziam idéia da guerra, da ideologia ariana, ou do que eram campos de concentração, e do por que os judeus deveriam usar o pijama.

Para Bruno desde que o Fúria havia ido jantar em sua casa, tudo mudou, eles tiveram que se mudar para Haja Vista, por que o pai tinha recebido uma promoção. Mas ali ele não conhecia ninguém, e como tinha muito tempo livre, decidiu explorar o lugar, mesmo que sua mãe o proibisse, foi assim que, explorando os arredores de sua casa que encontrou Shmuel do outro lado da cerca.

"....prossegui em minha busca, pois havia visto uma mancha do outro lado da cerca, achei que era uma miragem mais não desisti, fui me aproximando e aquilo foi tomando forma, essa forma se transformou em um vulto, que se transformou em um menino."

A partir do encontro dos dois meninos, tem início uma forte amizade, percebemos que nem Bruno ou Shmuel fazem ideia do que está acontecendo, nem mesmo Shmuel que vive em um campo de concentração, não consegue responder a nenhum dos questionamentos de Bruno, por que ele vive do outro lado da cerca? por que usa aquele pijama listrado? por que não podem brincar juntos?... na verdade ele nem sabe o que é um campo de concentração. E mesmo assim eles foram amigos até o fim.

Como eu disse lá em cima, esse livro deveria ser lido por todos, mais tenha em mãos um lenço, por que será impossível não chorar lendo ele.

Nota:

Top 5 + 1: Desejados

Vou confessar que esse é um post preguicinha, por que ainda não li nenhum livro esse mês, na verdade, tenho uma resenha para fazer de um livro que li mês passado, mais ainda não encontrei as palavras certas para me expressar sobre ele, enquanto isso, espero que vocês curtam meus devaneios acerca dos livros que eu quero ler.

As vantagens de ser invisível (Skoob)
Sinopse:
Ao mesmo tempo engraçado e atordoante, o livro reúne as cartas de Charlie, um adolescente de quem pouco se sabe - a não ser pelo que ele conta ao amigo nessas correspondências -, que vive entre a apatia e o entusiasmo, tateando territórios inexplorados, encurralado entre o desejo de viver a própria vida e ao mesmo tempo fugir dela.
As dificuldades do ambiente escolar, muitas vezes ameaçador, as descobertas dos primeiros encontros amorosos, os dramas familiares, as festas alucinantes e a eterna vontade de se sentir "infinito" ao lado dos amigos são temas que enchem de alegria e angústia a cabeça do protagonista em fase de amadurecimento. Stephen Chbosky capta com emoção esse vaivém dos sentidos e dos sentimentos e constrói uma narrativa vigorosa costurada pelas cartas de Charlie endereçadas a um amigo que não se sabe se real ou imaginário.
Íntimas, hilariantes, às vezes devastadoras, as cartas mostram um jovem em confronto com a sua própria história presente e futura, ora como um personagem invisível à espreita por trás das cortinas, ora como o protagonista que tem que assumir seu papel no palco da vida. Um jovem que não se sabe quem é ou onde mora. Mas que poderia ser qualquer um, em qualquer lugar do mundo.

Vocês não tem noção do quanto eu me identifiquei com essa sinopse, eu tenho as mais altas expectativas sobre o livro, eu sei que isso é perigoso, mas não consigo evitar. Tenho a sensação de que vou entender muito bem os sentimentos do Charlie, por que são os mesmos que eu sinto.


Belo Desastre (Skoob)
Sinopse:
A nova Abby Abernathy é uma boa garota. Ela não bebe nem fala palavrão, e tem a quantidade apropriada de cardigãs no guarda-roupa. Abby acredita que seu passado sombrio está bem distante, mas, quando se muda para uma nova cidade com America, sua melhor amiga, para cursar a faculdade, seu recomeço é rapidamente ameaçado pelo bad boy da universidade. Travis Maddox, com seu abdômen definido e seus braços tatuados, é exatamente o que Abby precisa – e deseja – evitar. Ele passa as noites ganhando dinheiro em um clube da luta e os dias seduzindo as garotas da faculdade. Intrigado com a resistência de Abby ao seu charme, Travis a atrai com uma aposta. Se ele perder, terá que ficar sem sexo por um mês. Se ela perder, deverá morar no apartamento de Travis pelo mesmo período. Qualquer que seja o resultado da aposta, Travis nem imagina que finalmente encontrou uma adversária à altura. 

Está todo mundo falando desse livro, 5 em cada 10 tweets da minha timeline é sobre ele, por isso fiquei curiosa, e depois de todas as resenhas super positivas que eu li, começaram a surgir outras nem tão positivas assim, então, como estou afim de saber qual é a do Travis, eu preciso ler para tirar as minhas próprias conclusões.


Belas Maldições (Skoob)
Sinopse:
Conforme as Profecias de Agnes Nutter, o mundo vai acabar num sábado. No próximo sábado, e antes do jantar. O que é um grande problema para Crowley, o demônio mais acessível do Inferno e ex-serpente, e sua contraparte e velho amigo Aziraphale, anjo genuíno e dono de livraria em Londres. Eles gostam daqui de baixo (ou, no caso de Crowley, daqui de cima). Portanto, eles precisam encontrar e matar o Anticristo, a mais poderosa criatura do planeta. O problema é que o Anticristo é um garoto de 11 anos e, ao contrário de tudo o que você já tenha visto em algum filme, é um menino que adora seu cachorro, se importa com o meio ambiente e é o filho que qualquer pai gostaria de ter. Além, claro, de ser indestrutível. E, como se ainda não fosse o bastante, eles ainda têm de lidar com o domingo... 

Eu estava inocentemente lendo um post no Coruja em teto de zinco quente, sobre amizades literárias, até que me deparei com uma que era entre um anjo e um demônio, minha curiosidade atingiu um nível alarmante, e fui eu procurar a resenha do livro, que encontrei no mesmo blog, comecei a sentir aquela sensação gostosa, que fica dizendo: "compra, compra agora, vai compra". Não comprei por que 1) Estou sem dinheiro e 2) O livro é caro. Mas nada que eu não possa resolver no próximo mês. E é um livro sobre apocalipse, em 2012, combinação perfeita!
"O anticristo está vivo e na terra nesse momento, Sargento. Ele está trazendo o Armageddon, o dia do julgamento, mesmo que ele mesmo não saiba. O Céu e o Inferno estão se preparando para a guerra, e vai ser uma bagunça."


Derby Girl (Skoob)
Sinopse:
Bliss Cavendar é fã de indie-rock, tem 16 anos, é adorável e excêntrica, mas vive presa em Bodeen, uma cidadezinha do interior do Texas. A mãe, uma viciada em concursos de beleza, está decidida a fazer a filha vencer o concurso da cidade. Mas Bliss finalmente descobriu uma saída: Roller Derby, um esporte radical, só para garotas estilosas e divertidas como ela. E, junto com machucados homéricos e músicos gatos, vai conseguir algumas lições que até mesmo uma descolada praticante de Derby não pode ignorar!

Whip it é um dos meus filmes favoritos, acho ele tão girl power, mas curiosamente não sabia que ele tinha sido baseado em um livro, como vocês podem perceber eu sou super antenada. Aí quando me deparei com a capa do livro (que é linda!), meus olhinhos chegaram a brilhar, por que na minha concepção o livro deve ser melhor que o filme, e seu gostei do que vi na telinha, vou gostar do que ler também. 


13 pequenos envelopes azuis (Skoob)
Sinopse:
Você seguiria as instruções? Você viajaria pelo mundo? Você abriria os envelopes um após o outro? Dentro do envelope um, existem mil dólares e instruções para comprar uma passagem de avião. No envelope dois existe um endereço para um “flat” em Londres. O recado no envelope três diz a Ginny: Encontre um artista. Por causa do envelope quatro, Ginny e um dramaturgo/ladrão/cansado-da-cidade chamado Keith vão para a Escócia juntos, com alguns resultados desastrosos porém extremamente românticos. Mas será que ela irá vê-lo de novo? Tudo sobre Ginny irá mudar nesse verão, e tudo por causa dos 13 pequenos envelopes azuis.

Eu tenho muita vontade de ler os livros da Maureen Johnson, e se esse livro já tivesse sido lançado por aqui, eu já teria comprado, mas infelizmente, a Underworld, ainda não lançou, apesar de tê-lo posto em pré-venda. Problemas à parte, sinto que vou sentir por ela o mesmo carinho que sinto por autores como, Sarah Dessen, Daniel Handler e John Green (^.^) Pelo menos vai da para matar a curiosidade com o livro que a Galera vai lançar, Zumbis x Unicórnios, que tem um conto dela.


+1 (Eu estava escrevendo o top 5 e já tinha terminado, quando me lembrei que eu tinha que falar de Watchmen, e como eu não queria apagar nada que já tinha escrito, esse aqui fica como bônus.


Watchmen - Edição Definitiva (Skoob)
Sinopse:
Uma das graphics novel mais influente de todos os tempos e um eterno best seller, Watchmen só cresceu em estatura desde sua publicação original, como minissérie, em 1986. Essa edição de luxo, com capa dura, papel especial e formato diferenciado, traz a lendária saga escrita por Alan Moore e Dave Gibbons, totalmente recolorida digitalmente por John Higgins, o colorista original. Não apenas isso, o volume de 460 páginas também apresenta uma quantidade de extras jamais vista no Brasil, trazendo trechos do roteiro original, esboços de Gibbons, comentários sobre os personagens, textos dos criadores e muito mais.
Uma edição primorosa que não pode faltar na estante de nenhum colecionador.
Watchmen foi considerado pela revista Time uma das cem melhores obras em língua inglesa de todos os tempos. 

Eu só não comprei ainda essa edição, por que é caro. Estou esperando chegar uma época festiva para pedir de presente. Eu adorei o ambiente sombrio do filme, os personagem, a trama, eu estou super ansiosa para ler esta HQ. 
"Who Watches the Watchmen?" - Quem vigia os vigilantes?

E quais são os livros que vocês mais desejam ler no momento? Tem algum da minha lista? Se tem, qual? e o que vocês acharam dos livros?




Minhas séries do momento (Parte I)

Eu sou péssima fazendo listas, mas essa é especial, desde que me entendo por gente amo assistir séries, e apesar de ter um grande número delas para fazer um especial, preferi falar daquelas que eu estou assistindo agora. 


Sobrenatural:

Acredito que todo mundo conhece o seriado, e já deve ter assistido um ou outro episódio. A série começou a ser transmitida em 2005 e já vai para a oitava temporada, e desde 2007 eu tenho assistido aos episódios regularmente.

Dean e Sam Winchester nunca tiveram uma vida normal, desde que sua mãe morreu de forma bastante suspeita, quando Sam ainda era um bebê, o seu pai caça aquilo que considera ser responsável pela morte de sua eposa, o demônio de olhos amarelos. 

A relação do pai com os filhos é complicada, enquanto Dean é basicamente uma cópia dele, Sam quer se libertar do estigma de sua família, e vai para a faculdade, abandonando a busca de seu pai. Mas quando John desaparece sem deixar nenhum vestígio, e depois de ver sua noiva morrer da mesma forma que sua mãe, Sam se junta novamente ao irmão e se lança numa caçada atrás de seu pai, e daquele responsável por todo o sofrimento de sua família.

Esse é basicamente o arco das primeiras cinco temporadas, que explora bastante a relação familiar dos Winchester, e o fim trágico daqueles que entram em suas vidas, sempre intercalando episódios cômicos,  com aqueles que nos levam as lágrimas.

Eu acho que desde a sexta temporada, o seriado caiu um pouco de qualidade, por que da primeira a quinta, nós temos uma história com início, meio e fim, e apesar de ainda ter os momentos cômicos, que virou marca registrada dos irmãos, falta próposito, o que me deixa preocupada em relação a continuidade da série. 

Se eu tivesse que escolher uma série preferida, o páreo seria duro entre Sobrenatural e Friends, com certeza daria empate técnico. Acompanhar as histórias dos irmãos Winchester, é um hobbie, uma paixão, reune tudo que eu mais gosto, histórias sobrenaturais, humor, e um toque de drama.


Grimm: 

De todas as séries que eu acompanho no momento essa é a mais recente, me chamou a atenção por que eu adoro contos de fadas e ainda aliado à investigações policiais, eu não tinha como resistir. 

Nick Burkhardt é um detetive da homicídios, e tem uma tranquila com sua noiva. Mas tudo isso muda, quando sua tia,  que o criou, reaparece em sua vida com segredos há muito tempo guardados. Nick na verdade é um Grimm, tem como legado acenstral combater as criaturas mágicas que vive em conjunto com os humanos, e sempre se metem em problemas. 

Sua tia está muito doente, e morre antes de poder lhe explicar, todas as nuances dessa nova vida. Os problemas, porém, aparecem cada vez mais, e com a ajuda de um Blubad (lobisomen) que se torna seu amig, Nick consegue dar conta do trabalho que tem, tanto como policial, quanto Grimm.

Eu ainda estou no meio da temporada, e tem uma coisa que me incomoda muito, quase todas as criaturas mágicas que cruzam o caminho de Nick, sentem um pavor imenso dele, por ele ser um Grimm, e esses serem os responsáveis por milhares de mortes dessas criaturas, mas na verdade eu acho que ele não merece muito esse medo todo, ele sempre precisa de ajuda para resolver os problemas, e quase sempre acaba apanhando. Espero que isso melhore.


Skins:

Eu sempre tive a impressão de que os ingleses fossem um povo super conservador, não que não sejam, mais eu me surpreendi muito quando comecei a ver essa série. 

Eu conheci a série através do tumblr, sempre via muitos gifs e por isso fiquei curiosa. Foi a primeira série inglesa que eu assisti, para o meu espanto e deleite, percebi que o conservadorismo usado em séries adolescentes que eu já havia visto não se aplicava ao seriado.

Não que o seriado fale de coisas extraordinariamente diferente das outras séries, mas o ponto de vista que ela usa para mostrar o cotidiano de 8 amigos, sim, é radicalmente diferente.

Drogas, amor, baladas, sexo, amizade são o temas abordados na série, como eu disse, nada muito diferente de outras. Mais os personagens em Skins, levam tudo as últimas consequencias, do abuso de drogas e sexo, a amizades desfeitas e corações partidos.

Infelizmente a série já acabou, foram seis temporadas com  uma média 10 episódios cada uma, a cada duas temporadas o elenco muda, e acompanhamos as aventuras e desventuras de outro grupo de amigos, por isso dizemos que Skins tem 3 gerações, sendo a primeira a mais amada.

Eu ainda estou no meio da terceira temporada, por isso tenho  mais a dizer da primeira geração. Eu me apaixonei pelo seriado desde o primeiro episódio, primeiro me veio aquela surpresa pela forma como o seriado aborda o cotidiano dos adolescentes, tem nudez, uso de drogas, relações homossexuais, gravidez na adolescência, traição, relacionamento entre uma professora e um aluno, nada ofensivo, é claro, mais totalmente divertido de assisitir.