Enquanto isso por aqui #6

Post mensal sobre o que andei fazendo literariamente (Julho)

Galera, infelizmente esse mês não tem fotos, por que minha câmera desapareceu no buraco negro que é minha casa. Quando eu achar eu insiro as fotos.

*Lidos: 
  1. O menino do pijama listrado - John Boyne / Cia das Letras
  2. Hack/Slash (HQ)
  3. Vampiro Americano (HQ)
  4. Fábulas - Lendas no Exílio (HQ)
  5. Desventuras em Série - Lemony Snicket / Cia das Letras
  6. As Irmãs Grimm - Michel Buckley / Editora Pandorga

*Aquisições:

*Compras:
  1. Ladrão de Olhos - Jonathan Auxier / Leya
  2. Fábulas - Lendas no Exílio (HQ)
  3. As irmãs Grimm #1  Detetives de Contos de Fadas - Michael Buckley / Pandorga
  4. Não sou este tipo de Garota - Siohan Vivan / Novo Conceito
  5. Coração Ferido - Chelsea Cain / Suma das Letras
  6. As Irmãs Grimm #2 Suspeitos Incomuns - Michael Buckley / Pandorga
  7. Todo Garoto Tem - Meg Cabot / Galera Record
  8. A culpa é das estrelas- John Green / Intrinseca (Lágrimas de emoção, taquicardia. Chegou até que enfim)
*Trocas:
  1. Desventuras em Série #4 Serraria Baixo Astral - Lemony Snicket / Cia das Letras
  2. Desventuras em Série #5 Inferno no Colégio Interno - Lemony Snicket / Cia das Letras
  3. Deuses Americanos - Neil Gaiman / Conrad (ATÉ QUE ENFIM)
*Ganhei:
  1. Um mundo brilhante - T. Greenwood / Novo Conceito
Ganhei o livro numa promoção do blog Caindo de Boca.

*Top 5:
  1. Belo Desastre - Jamie Mcguire / Versus
  2. A caminho da sepultura - Jeaniene Frost / Novo Século
  3. As vantagens de ser invisível - Sthephen Chbosky / Rocco
  4. Abraham Lincoln Caçador de Vampiros - / Intrínseca
  5. Derby Girl - Shawn Cross / Galera Record

*Melhor Leitura: 
Fábulas, com certeza, eu estava esperando a HQ faz tempo, e eu amei começar a essa história. Panini, lança logo o segundo encadernado.

*Resenha + AHHHHHHHHHHHHHHH preciso comprar:
Não lembro exatamente onde eu li, mas a resenha que mais me deixou curiosa foi a do livro Belo Desastre, eu achei a história interessante, e pretendo ler em breve.

*Recadinhos:
*Eu não quero comentar meu desempenho pífio nos desafios desse mês.

*No começo do blog, no ano passado, eu escrevi vários posts sobre música, séries, e teve até um especial de Halloween, mas por algum motivo eu deixei estes posts de lado. Não vou fazer uma coluna permanente, mais pretendo daqui para frente, falar um pouco mais sobre minhas preferências em outras áreas.
Não pretendo trazer novidades nessas áreas, o que quero, é falar das coisas que eu gosto, sem nenhuma obrigação de trazer novidades específicas, pode ser que eu traga notícias recentes, ou fale daquele seriado que eu assistia domingo de manhã no sbt quando estava na sexta série.

*Gostaria da ajuda de vocês, lembra que no post, What the hell is wrong with me? eu disse para vocês que estou com vários livros abertos, sem previsão de conclusão. Entao decidi fazer uma enquente para vocês escolherem quais desses livros vocês querem resenha aqui no blog, espero que vocês possam ajudar.

Resenha: Desventuras em Série #4: Serraria Baixo Astral - Lemony Snicket / Cia das Letras


Título Original: The Miserable Mill
Ano de Lançamento: 2000
Páginas: 194

Não é segredo para ninguém que conhece a série, através dos livros ou até mesmo do filme, ou para quem esta acompanhando as resenhas do blog, que a vida dos Baudelaire não é fácil. Depois de perderem os pais em terrível incêndio, se depararam com um vilão terrivelmente inescrupuloso, que faz de tudo para se apossar da fortuna deles. 

Conde Olaf não da sossêgo, e sempre inventa um plano mirabolante para roubar o dinheiro. E exatamente por serem tão mirabolantes, que esses planos, apesar de chegarem bem perto de se concretizarem, sempre são vencidos pela esperteza dos irmãos Baudelaire. Mas, também depois de passarem tantas amarguras, pelo menos algo de bom tinha que acontecer.

Desde o fim trágico dos seus pais, as crianças passaram por diversos lugares, a fatídica estadia na casa de Conde Olaf, uma agradável temporada na casa do Tio Monty, mas que, infelizmente teve um fim trágico. Uma outra temporada não tão agradável assim na casa da Tia Josephine, mas que com certeza foi muito melhor do que o tempo em que eles permaneceram na Serraria Alto Baixo Astral.

Eu tenho quase certeza de que comentei nas outras resenhas, que o autor do livro, Lemony Snicket, nas sinopses (e até mesmo no começo/meio/fim dos livros) diz que se você procura uma história com final feliz, talvez com certeza, a história dos irmãos Baudelaire, não seja a mais indicada para você. E posso dizer por experiência própria, que, apesar de parece um exagero, não, não é.

Por isso quando li a sinopse de Serraria Baixo Astral, fiquei bastante apreensiva pelo que estaria por vir. Me digam se vocês não ficariam também se lessem isso:
“... de todos os volumes que contam a vida infeliz dos orfãs Baudelaire, Serraria Baixo Astral talvez seja o mais triste até agora.” 
E, mais uma vez o autor não exagerou. Depois do que aconteceu com tia Josephine, os irmãos, mais uma vez tiveram que mudar de casa, e dessa vez, não tiveram nenhum bom momento na Serraria Alto Astral. 

Até mesmo enquanto estiveram na casa do Conde Olaf, podiam contar com a ajuda da juíza Strauss. Mas agora na Serraria Alto Astral, eles não tem ajuda de ninguém, e pior, ainda têm que trabalhar lá (acredite se quiser). Isso por que o seu novo tutor, conhecido apenas como Senhor, garante que, em troca do trabalho deles, manterá o Conde Olaf afastado, e eles não precisariam mais se preocupar com ele. Muito justo, não?

Fico me perguntando como é que o Conde Olaf consegue saber para onde o Sr. Pole levará as crianças, antes mesmo deles chegarem lá. Já disse antes, que tem alguma coisa estranha com o Sr. Pole, ele pode não ser mal, mas é muito incompetente. 

Diferente dos outros livros, Conde Olaf demora um pouco mais para aparecer neste volume, mais, infelizmente ele aparece, e dessa vez quase consegue separar os irmãos. Por muito pouco uma tragédia não acontece.

A série tem 13 livros (para felicidades de uns e desgosto de outros), e quando terminei o terceiro livro, comecei a questionar, se todos os livros seriam assim, eles indo morar com um novo tutor, e o Conde Olaf tentando roubar a fortuna, mas não. Apesar de parecer um pouco repetitivo os primeiros livros, ao longo da série, vamos descobrindo mais segredos sobre a família Baudelaire, e todos os tutores que eles tiveram até então.

News:
O autor Daniel Handler lançará outra série sob o pseudônimo Lemony Snicket, All The Wrong Questions (Todas as questões erradas), o primeiro livro, "Who Could That Be at This Hour?" (Quem pode ser a essa hora?), sairá em outubro. Será um relato auto-biográfico da juventude de Lemony em uma pequena cidade esquecida, e seu envolvimento com uma misteriosa organização.

O selo jovem da Companhia das Letras, Seguinte, lançará o livro em outubro/2012.


Confira as outras resenhas dos livros:
                
        

Nota:

Resenha: As Irmãs Grimm #1 - Michael Buckley / Pandorga




Ano de Lançamento: 2005
Título Original: The Sisters Grimm: The Fairy Tale Detectives
Páginas: 280

Quando eu e minha irmã entramos na livraria, o primeiro livro que chamou a atenção dela foi esse, As Irmãs Grimm, e quando ela me mostrou eu já senti uma enorme vontade de levá-lo , e depois de ler a sinopse, eu tive certeza, e mesmo não tendo mais espaço na estante, e tempo para ler toda minha enorme fila de livros, eu comprei, e se você quer saber, passei na frente de todos os outros.

Para quem leu a resenha de Fábulas (e para quem não leu, é só clicar no link), deve estar lembrado de que comentei sobre a polêmica que rola entorno da HQ e da série Once Upon a Time, que os produtores de OUAT plagiaram a HQ, história que parece ganhar força pelo fato de que a emissora que transmite o seriado, esteve em negociação para uma adaptação da HQ, o que acabou não acontecendo.

Porém, Bill Willingham, criador da HQ, para aplacar a fúria dos fãs, deu uma declaração dizendo que para ele não houve plágio, e sim, que as histórias têm uma mesma premissa, e sendo assim, lógico, tem semelhanças.

E, você deve estar se perguntando por que eu estou falando isso de novo, pelo simples fato de que, em As Irmãs Grimm nós temos essa mesma premissa de novo, o que de certa forma, vem somar com a declaração do Bill, de que se você que contar uma história com personagens de contos de fada no mundo moderno, colocá-las para morar todas numa mesma cidade, é meio que um caminho natural a se seguir.

Eu achei a sinopse um pouco ambígua em relação à idade das irmãs Grimm, achei que elas seriam um pouco mais velhas, mais foi uma surpresa bastante agradável quando descobri que elas eram bem novinhas, 11 e 7 anos, isso por que eu adoro histórias infantis. Você deve estar se perguntando se eu não vi a capa do livro, que deixa bem claro que, as meninas são novinhas, é, bem, sim, eu vi, mas, não prestei atenção, eu sou assim, me aceite.

Sabrina e Daphne Grimm estão passando por maus bocados desde que seus pais desapareceram, ou de acordo com a mais velha das irmãs, as abandonaram. Durante um ano e meio, elas foram mandadas para diversos lares adotivos, dos quais tiveram que fugir de padrastos esquisitões, até que a assistente social (que é um tanto malvada, e estou dizendo isso por que todas as assistentes sociais que eu conheço são boazinhas, e nunca dariam beslicões em menininhas) que cuida das meninas, consegue localizar a avó delas, que passa a ter a guarda.

Sabrina (principalmente) e Daphne recebem a notícia desconfiadas, isso porque, o pai delas sempre disse que a vovó Grimm, havia morrido há muito tempo, então como pode aquela senhora estar falando a verdade? Por que o pai nunca mentiria para suas filhas.

Relda Grimm, mora numa cidade bem pequena, e é uma senhora bastante simpática, que acolhe as netas de forma bastante carinhosa. Porém, Sabrina, desconfia de tudo que a senhora diz, por que para ela, a suposta avó não passa de uma lunática, que quer fazer mal as meninas de alguma forma. Já Daphne, recebe a avó muito mais calorosamente.

O comportamento da vovó Grimm é bastante suspeito. Ela fala de gigantes, pés de feijão, bruxas, seres da floresta, como se eles realmente existissem, e esta mais do que convicta de que a casa de um fazendeiro foi pisoteada por um gigante, e a sua memória foi apagada por uma bruxa a mando do prefeito Encantando, o que faz com que Sabrina, tenha cada vez mais certeza de que a senhora é a mais doida dos pais adotivos que já teve.

Mas a vovó Grimm parece ter uma história bastante plausível para explicar todas as coisas estranhas que estão acontecendo na cidade.

As meninas têm ancestrais bem famosos, Jacob e Wilhelm Grimm, e o livro que eles escreveram não se tratava de fantasia, mas era um registro das travessuras das criaturas mágicas, que na época deles, estavam sendo perseguidos, chegando numa inevitável batalha com os seres humanos, por isso os irmãos, trouxeram diversos Sobreviventes para morar nos EUA, um país novo e pouco habitado, e com isso conseguiram evitar um confronto.  Mas com a inevitável expansão territorial americana, mais e mais seres humanos, foram morar em Ferryport Landing, fazendo com que os Sobreviventes se sentissem mais uma vez ameaçados, até que um plano foi descoberto, um pequeno grupo revolucionário queria exterminar os humanos e conquistar novas terras, para evitar a guerra novamente, Wilhelm fez um acordo com bruxa mais poderosa da cidade, e assim lançou um feitiço, prendendo todos os sobreviventes ali, inclusive os próprios Grimm, que tem como missão manter tudo sob controle.

Mas, nada disso deixa Sabrina impressionada, na verdade, agora ela tem certeza de que a suposta vovó Grimm tem mesmo é muitos parafusos a menos, e pretende fugir dali o mais rápido possível com a sua irmã.

Porém quando você dá de cara com um prova tão irrefutável, quanto um gigante bem na sua frente, talvez você comece a acreditar. E quando a vovó Grimm acaba sendo sequestrada pelo monstro, caberá suas netas encontrarem a solução para esse terrível problema, e assim, mesmo tão novinhas, as duas irmãs farão de tudo para salvar a única família que lhes resta.

Sabe o que eu achei mais fantástico nessa história, é que além de contarmos com personagens dos famosos contos de fadas, também encontramos personagens das grandes obras da literatura, de autores como Shakespeare e Lewis Caroll. Mais uma vez o Príncipe Encantado se mostrou um idiota, e assim como em Fables, aqui nesse livro, ele também foi casado com diversas princesas. E o Lobo Mau mais uma vez me surpreendeu.

Apesar de parecer estranho garotas tão novinhas tendo que enfrentar algo tão perigoso, quanto um gigante, não se preocupe, elas são Grimm e é isso o que eles fazem. 

Nota:

What the hell is wrong with me?


Eu tenho diversos problemas de ordem neurológica, mas talvez o mais inexplicável, seja o fato de abrir diversos livros e simplesmente largá-los, ?, é, nesse exato momento eu tenho 10 livros incompletos espalhados pelo meu quarto, me encanrando diariamente, indagando qual é o problema comigo?

Por que eu certamente tenho, é, eu tenho quase certeza.

Sabe o que é, de vez em quando eu fico um tempão na frente da minha estante, esperando receber uma vibração positiva de algum livro para começar a ler, aí depois de ficar esse tempo que nem uma perturbada na frente da estante - o que certamente faz com que meu pai tenha mais certeza a cada dia, de que meus parafusos são frouxos, o que provavelmente é culpa dele, já que eu também acho que ele tem uns parafusos a menos deve ser de família – eu escolho um livro e começo a leitura.

Eu tenho um grande amor por comprar livros, não posso ver uma promoção, um cupom de desconto, que lá vou eu gastar o meu dinheirinho, mais eu não compro livros por impulso, eu sempre escolho aqueles que eu quero há mais tempo, estou tentando deixar claro aqui que todo livro que eu tenho, eu comprei por que eu queria muito.

Mas o que eu não consigo mesmo entender, é o que me faz pegar um livro, abrir, ler umas 50/100 páginas e simplesmente esquecer esse e pegar outro.

Em algumas histórias eu dou uma pausa para aliviar a mente, devido à intensidade da trama, alguns eu deixo de lado por que eu simplesmente estou detestando o enredo e posso ter uma hemorragia cerebral se não parar, outros eu pego para ler por não ter absolutamente nada para fazer, mas assim que aparece uma coisa, seu destino fica em suspenso.

E, enquanto a pilha de livros vai crescendo no criado mudo ao lado da minha cama, eu vou lendo outros livros, serão esses mais interessantes? Eu me pergunto. Mas não pode ser, na minha pilha de livros meio lidos, tem meus autores preferidos, tem Douglas Adams, tem Meg Cabot, tem Richelle Mead, então por que cargas d'água eu não pego eles e termino logo? Se eu terminei de ler Melancia – que foi um livro mais desgastante que eu já li – por que então eu não termino os outros.

Há uma explicação “lógica” para isso tudo, EU TENHO PROBLEMAS. Os livros são interessantes, os autores são interessantes, e nem todos os livros são grandes. Será preguiça? – eu sou preguiçosa, isso é um fato, se meu pai lesse esse post, ele confirmaria isso para vocês – pode ser, mas também não acredito nisso.

Ahhhh, talvez eu seja desorganizada – isso pode explicar tudo – bem, mais que doida e preguiçosa, com toda a certeza eu sou desorganizada. Mas isso não é desculpa.

Eu não sei o que fazer para mudar esse comportamento bizarro, Ajuda profissional? Terapia em grupo? Tomar vergonha na cara? Camisa de força? Muito drástico, e como eu iria ler. Acho que o que me resta é esperar, e sentir  vontade de terminar esses livros.

Por enquanto, o que me resta é compartilhar meus problemas com vocês, e perguntar se vocês  enfrentam ou já enfrentaram esse problema? Alguém?? Por favor.

Resenha: Fábulas - Lendas no Exílio (HQ)



Quem acompanha a caixinha de correio do blog, deve saber que essa era uma das HQs que eu mais desejava, e demorou muito para conseguir, por que estava esgotado em todos os lugares, mas com o relançamento do encadernado 1 pela Panini, eu não poderia deixar de comprar.

Acho que nos últimos tempos os contos de fadas estão passando por uma repaginação, se tornaram mais sombrios, e vemos o pior lado das fábulas que nos acompanha desde crianças, e como eu gosto disso, por que eu sempre tive um problema grande com aquele "E foram felizes para sempre...", concordem ou não, isso é vago demais.

Se vocês acompanham o seriado Once Upon a Time, vão achar muito semelhante o fato de que em Fables, as fábulas também vivem todas numa mesma cidade, pelo que eu conheço do seriado as semelhanças acabam aí, por que na HQ, as fábulas tiveram que sair de suas terras natais, pois estas, estavam sendo invadidas e dominadas por um terrível inimigo, conhecido apenas como o Adversário. Sem alternativa tiveram que se mudar para outro lugar, então foram para a cidade de Nova York, onde vivem em segredo e formam a comunidade das fábulas. Muitos perderam suas terras e fortunas, por isso são obrigados a terem ter trabalhos normais.

Porém nem todas as fábulas podem viver juntos com os outros seres humanos, aqueles que são animais, ou tem formas inumanas e não podem pagar por um bom feitiço de transformação vivem na Fazenda.

Apesar de terem de viver de acordo com as leis humanas, eles também tem uma administração própria, e sua própria polícia. O que eu achei genial, por que a vice-prefeita da cidade das fábulas, aquela que realmente manda e desmanda a seu bel prazer, é a Branca de Neve, e o delegado é o (genialmente) regenerado Lobo mau (nem tenho como dizer o quanto gostei disso). 

Nesse primeiro encadernado acompanhamos a investigação de um crime (viram mais semelhanças com outra série?), o possível assassinato de Rosa Vermelha, a irmã da Branca de Neve, entre os suspeitos temos o namorado dela, João (aquele mesmo dos feijões) e Barba Azul, tenho que dizer que adorei o método de investigação do delegado Bigby (o Lobo mau), uma abordagem enérgica e hilária, com certeza ele é o bad copy.

Em muitos filmes de investigação, sempre temos aquela parte em que o investigador revela todas as suas descobertas, numa clássica cena, conhecida como cena do salão, onde todos os suspeitos acabam por estar no mesmo lugar, e de acordo com o lobo esse é o sonho de sua vida, e com o baile anual da recordação, para ele foi o lugar perfeito para solucionar o crime, e tenho que dizer que eu realmente não esperava aquele desfecho.

Eu fiquei muito feliz como mostraram o Príncipe Encantado, que mãe nesta vida não disse para a filha que ela ia encontrar o seu (espero que não tenha sido só a minha a compartilhar esse momento de vergonha alheia), é, por que no fim das contas o que sempre importava é que eles "foram felizes para sempre", eu sempre desconfiei que tivesse algo de muito errado com ele, e agora com Fables minhas desconfianças foram confirmadas, sabe por que, por que é o mesmo príncipe em todas as histórias, ele ficou com a Cinderela, Bela Adormecida, Rapunzel, e a própria Branca de Neve, que aliás o encontrou na cama com sua irmã. E além de ser um cafajeste inveterado, também é um tremendo trambiqueiro. Quem diria!

Agora vamos a polêmica, muitos fãs da HQ acusam as redes NBC e ABC, ambas produtoras respectivamente das séries Grimm e Once Upon a Time, de plágio, isso porque as duas redes de televisão tiveram em negociações para transformar Fables em série, sendo a NBC em 2005 e a ABC em 2008, ambas rejeitaram a ideia, porém é inegável a semelhança de ambas as séries com a HQ. O autor da HQ Bill Willinghan, fez uma divertida entrevista com ele mesmo, onde diz que não acredita que os produtores de Once tenham plagiado a HQ, e que ainda por cima acompanha os episódios de Once Upon a Time. O que mais gostei da entrevista, foi que ele declarou que ele mesmo se inspirou em outras histórias para criar as suas, e que isso não é plágio. Mas que é semelhante, isso é. (Saiba mais aqui e aqui)

Nota:

Resenha: Just Listen - Sarah Dessen / Farol Literário


Ano de Publicação: 2006
Título Original: Just Listen
Páginas: 308

Alguns livros são extremamente difíceis de resenhar, de vez em quando eu passo por um bloqueio e não consigo escrever nada que preste, quanto mais eu gosto do livro mais difícil é.

E com esse livro aconteceu exatamente isso, eu amei demais, me identifiquei, senti uma gama de emoções enquanto o lia, então eu peço desculpas se não ficar lá essas coisas, por que, por mais que seja difícil, eu tinha que fazê-la e contar para vocês o quão boa escritora a Sarah Dessen é.

Quando os blogs que eu leio afirmam que um livro é muito bom, ou que um autor vale à pena, é quase automático o meu interesse, não que eu GOSTE de tudo, mas é sempre bom conhecer novos autores, e foi assim com a Sarah Dessen, eu não sei se vocês conhecem o Nem um pouco épico, é um dos blogs que eu mais me identifico com o conteúdo, então quando eu li sobre a Sarah Dessen lá, me despertou uma vontade enorme de ler os livros dela.

E já que eu me interesso por YA contemporâneo (para saber mais clique aqui) achei que valeria a pena comprar os livros, mesmo sendo absurdamente caros.

Chega de enrolação...

Annabel Green tem uma vida aparentemente perfeita, é uma garota popular, trabalha como modelo e é famosa em sua cidade, tem uma família amorosa e uma casa confortável, mas as aparências enganam, enquanto finge ser a garota perfeita que tem tudo, ela esconde seus sentimentos, seja para evitar conflitos ou para não magoar as pessoas que ama.

E é por isso que Annabel passa todo o verão trancada no quarto, depois de uma festa desastrosa onde foi pega com o namorado da melhor amiga ela não conta para ninguém o que aconteceu, assim Annabel precisa fingir mais ainda para manter as coisas no lugar, seus pais não sabem do ocorrido, e com a proximidade da volta às aulas terá que suportar todos os amigos contra ela.

Eu estou muito acostumada a ler livros com romances sobrenaturais, e eu muito dificilmente me identifico com algum personagem, ou com alguma situação pela qual ele passa, mais com esse livro a cada virada de página eu me identificava mais com diversas situações.

Não com todas é claro, por que o “segredo” que a Annabel esconde não é algo pelo qual eu já passei, mais não é uma situação mirabolante, infelizmente, as pessoas passam por isso, algumas se calam por vergonha como a Annabel fez, outras não. E é por isso que eu gostei tanto do livro, ele nos apresenta uma história que poderia acontecer com qualquer um, os personagens tem sentimentos e atitudes que eu e você também temos, por isso é tão fácil se identificar, os personagens são humanos e agem como tal.

Annabel precisa aprender que guardar as coisas para si não faz bem, guardar um segredo ou mesmo alguns descontentamentos do dia-a-dia só afeta a ela e mais ninguém, do que adianta poupar a família e os amigos daquilo que a desagrada ou machuca, se é ela que vai continuar com aquele sentimento.

Eu entendi o sofrimento de Annabel, esse medo de contar para a família alguma coisa, será que vão acreditar? O que vão pensar de mim? Por exemplo, Annabel tem medo de magoar a mãe, e por isso não diz para ela que não quer ser mais modelo, tá eu nunca fui modelo mais algumas coisas eu também não conto para minha mãe, por medo de magoá-la. Não dá para guardar tudo com a gente, mas é tão difícil ver alguém que a gente ama triste ou decepcionada.


Às vezes de onde menos esperamos vem à ajuda, aquele empurrão, a motivação para seguir em frente. E com Annabel foi exatamente isso que aconteceu. Por estar sozinha na escola, sem nenhuma amiga, ela acaba conhecendo Owen, o bad boy, só que ele não é nada daquilo que ela imaginava. Na verdade ele é um garoto como outro qualquer, e Annabel percebe o quão preconceituosa as pessoas da escola são em relação a ele. E é exatamente da relação dos dois que Annabel passa a se expressar melhor. Isso por que Owen não mente, ele sempre fala a verdade, por mais que isso possa magoar alguém, e ele a estimula a fazer a mesma coisa. Principalmente através da música, isso por que ele é DJ e tem um programa na rádio comunitária de Lakerview, e lá ele tem total liberdade para por as músicas que mais gosta, e podemos dizer que o gosto musical dele é “peculiar”, e quando ele pede a opinião dela, a discussão resultante é hilária.

Depois que conheceu Owen, Annabel se descobriu, precisou passar por muitos conflitos internos, brigas com os seus sentimentos, para enfim revelar o seu segredo, que não é fácil, mas todo o seu medo, de que as pessoas não fossem acreditar nela, enfim, não passa de um medo sem fundamento. E o final é lindo!

Esse livro é sobre relações, sobre descobrir a si mesmo, sobre aparências e segredos, aborda alguns temas sérios, mesmo que não seja o foco, e também tem romance, tudo de uma forma natural e super agradável de ler, as coisas acontecem no ritmo e tempo certo, e quando você chega a última página fica desejando mais.

Uma curiosidade sobre a autora é que suas histórias sempre se passam em duas cidades fictícias, Lakerview ou Colby, por isso é comum que alguns personagens e lugares, sejam vistos em outras histórias, por isso o legal é ler os livros na ordem. Mas como aqui no Brasil nós só temos três livros publicados, eu comecei por esse que é o mais antigo das três publicações. Notícia boa, a ID divulgou mês passado que lançará That Summer, o primeiro livro da Sarah, parece que eles pretendem lançar os livros dela na ordem.

Então é isso gente, para quem gosta de histórias que fogem da temática sobrenatural, os livros da Sarah Dessen são uma boa pedida, uma característica que achei muito interessante, mais pode não agradar a todos, é que não há muita descrição da paisagem e dos personagens, tem algumas características sim, mas autora não se prende muito a isso. 


Nota: