Desafio Realmente Desafiante: Amante Sombrio - J.R. Ward Universo dos Livros


Vampiros!!!!!!! 

Este post faz parte do Desafio Realmente Desafiante, no mês de março o desafio era ler um livro com a capa vermelha, azul ou verde. E o escolhido foi o primeiro volume da série Irmandade da Adaga Negra, Amante Sombrio.

Sinopse:
Nas sombras da noite, em Caldwell (Nova Iorque) se desenrola uma sórdida e cruel guerra entre os vampiros e seus carrascos. A Irmandade e seus caçadores e os assassinos. E existe uma Irmandade Secreta de seis vampiros guerreiros, os defensores de toda a sua raça. Nenhum deles deseja aniquilar a seus inimigos com tanta ânsia como Wrath, o campeão da Irmandade da Adaga Negra. Wrath, o vampiro de raça mais pura dos que povoam a terra, tem uma dívida pendente com aqueles que, há séculos, mataram seus pais. Quando morre um de seus mais fiéis guerreiros, deixando órfã uma jovem mestiça, ignorante de sua herança e seu destino, não resta a ele outra saída senão levar a bela jovem para o mundo dos não mortos. Traída pela debilidade de seu corpo, Beth Randall se vê impotente para resistir aos avanços desse desconhecido, incrivelmente atraente, que a visita toda a noite, envolto nas sombras. Suas histórias sobre a Irmandade a aterrorizam e a fascinam... E seu simples toque provoca chispas de um fogo que pode acabar consumindo a ambos.

Warth é uma força da natureza, como vampiro mais forte, rei e líder da Irmandade da Adaga Negra não nutre nenhum sentimento pelos seres humanos, por isso quando Darius outro membro da Irmandade vai até ele pedir ajuda para que sua filha, uma mestiça possa passar pela transformação, sobreviver e se tornar uma vampira (já que eles se alimentam de sangue de um vampiro do sexo oposto, que é muito importante para o processo de transformação, e sendo mestiça ela precisará de um sangue muito forte), ele nega sumariamente, mas quando Darius morre numa explosão ele se ve compelido a ajudá-la.

Beth Randall não faz ideia do seu destino, filha de um vampiro e uma humana a hora de sua transformação se a aproxima a medida da chegada de seus 25 anos. Ela nunca conheceu seus pais, cresceu em lares adotivos, e leva uma vida normal (ou bem chatinha como diz ela propria) trabalhando como jornalista em um pequeno jornal em Cadwell.

Mas tudo se tranforma quando um estranho invade seu apartamento e muda duas coisas em sua vida, sua perspectiva do futuro e o seu coração. Warth explica a Beth, mesmo que ela não queira aceitar, sobre o seu pai, sobre os vampiros e como ela esta prestes a se tornar uma e que precisará do seu sangue para sobreviver, mesmo com medo atração que ele exerce sobre ela a empurra para ele.

Warth jamais imaginou que Beth, flha do seu amigo Darius fosse ser tão estonteante, e mesmo já tendo uma companheira (com a qual ele não tem uma relação de marido, e sim só a encontra quando precisa se alimentar) ele não consegue não se sentir apaixonado por ela, mesmo que negue com frequência esse sentimento, se limitando apenas a pagar uma divida com o amigo morto.

Formanda pelos 6 vampiros mais fortes (e amaldiçoados ever) a Irmandade serve para proteger a sociedade vampirica dos detestavéis Redutores, estes criaturas que já foram humanas, mas trocaram a alma pela eternidade e uma causa, matar vampiros. E eles são eficientes nesse trabalho por isso estão sempre em guerra com a Irmandade, e não só mataram os pais de Warth a alguns séculos atrás, como também são responsáveis pela morte de Darius enfurecendo a Irmandade e a levando a busca da vingança.

Em meio a iminente transformação de Beth, de sua proximidade cada vez maior à Warth em cenas realmente hots (HOTS), e de uma guerra que se inicia entre vampiros e redutores conhecemos essa fantastica história escrita por J.R. Ward.

Estou ansiosa para conhecer mais os outros membros da Irmandade e o encontro destes com suas companheiras. Que venha Raghe. Gente desculpa, a resenha não ficou muito boa, estou passando por um bloqueio criativo ou talvez minha mente esteja perturbada por imagens de vampiros guerreios seminus.

Nota:

Beijos e até a próxima.

Projeto: Um clássico por mês - As aventuras de Huckleberry Finn / Mark Twain

Para saber mais clique aqui


Huck Finn esta cansado da vida de maus tratos ao lado do pai e também de Miss Watson que tenta incessantemente civilizá-lo, para fugir desse martírio ele simula a própria morte (com efeitos dignos de Hollywood) e uma vez feito isso, ruma rio Mississipi acima sob uma jangada em busca de liberdade e aventuras.

Ainda pelas redondezas, ao ancorar em uma pequena ilhota, ele encontra Jim, o escravo de Miss Watson, um velho conhecido seu que quase tem um enfarte ao vê-lo já que afinal de contas “Huck Finn esta morto”, após convencê-lo de que não é um fantasma, descobre que ele esta fugindo, pois sua dona queria vendê-lo e separá-lo da família, isso não o impede de ajudá-lo e assim partem juntos para terras livres.

Durante a viagem Huck e Jim vão se tornando cada vez mais amigos, e assim vão seguindo o caminho juntos. Mas é aí que Huck passa a enfrentar um dilema, por mais que Jim esteja se tornando seu amigo e Huck acha certo ajudá-lo, isso vai contra tudo aquilo que aprendeu a vida toda. Ajudar a fugir o escravo que por direito pertence a uma velha senhora com certeza acabaria por levá-lo ao inferno.

Mesmo nesse dilema Huck segue o caminho sem conseguir fazer nada de mal a Jim, mesmo que por vezes sua consciência lhe pese muito, não por ser um menino mal, mas Huck foi criado assim, numa época que os escravos não tinham direito a nada, e mesmo assim isso não o impede de ajudar Jim, o que fica é essa luta constante sobre o que ele acha certo (ajudar Jim) e sobre tudo aquilo que aprendeu durante a vida (escravos não tem direito a liberdade).

Nessa jornada pelo rio Mississipi, Huck e Jim sempre viajam a noite para não correr o risco de serem pegos, mesmo assim isso não os impede de topar com tipos estranhos que os meterão em muitas enrascadas ora engraçadas, mas por muitas vezes perigosas.

E em uma dessas enrascadas Jim acaba sendo capturado, levando Huck de uma vez por todas decidir que Jim merece a liberdade, mesmo que a sociedade diga que não e acaba de vez com o dilema que sente dizendo que prefere a ir para o inferno do que deixar Jim em apuros, e para isso terá a inesperada ajuda de um antigo amigo.

Sobre o autor:
 Mark Twain, pseudônimo de Samuel Langhorne Clemens nascido em 30 de novembro de 1835, é um dos mais importantes autores norte-americano. Passou por muitos empregos, tais como tipógrafo, conduto de barcas, impressor, minerador, jornalista até se tornar um escritor famoso. Trabalhando como repórter escreveu o conto The Celebrated Jumping Frog of Calaveras County, e foi assim que começou a ganhar fama. Seus livros foram aclamados (e ainda são) por sua perspicácia e sátira única e tanto sucesso lhe rendeu o titulo de “pai da literatura americana”. Mark Twain morreu aos 74 anos na véspera da passagem do cometa Halley, fato que havia ocorrido em seu nascimento, e sobre isso antes de morrer, escreveu em 1909: “O TODO PODEROSO disse indubitavelmente: ‘cá estão esses dois inexplicáveis fenômenos: eles chegaram juntos e devem partir juntos’.


Importância Histórica:
O livro é considerado a maior obra da ficção americana, de tal importância que sobre ela Enerst Hemingway escreveu: “Toda moderna literatura americana nasce em Huckleberry Finn. Não há nada antes daquela obra. E também não há nada depois dela.”
Mark Twain revisitando o cenário de sua infância e adolescência, escreveu através das aventuras (muitas vividas por ele mesmo na tenra idade) e da figura cômica de Huck Finn uma critica social do seu tempo. Ao entrar em contato com a obra pode-se considerar que sua principal crítica é contra a escravidão, e sim é um dos pontos importantes, mas há uma questão mais relevante que se refere ao conflito entre o homem e a sociedade sempre pronto a corrompê-lo.  
  
Por que você deve ler:
Além de ser uma das principais obras da literatura, não só americana , mas mundial, o livro deve ser lido por todos aqueles que gostam de uma boa aventura, que a sabe dosar bem com excelentes criticas sociais, mesmo que essas criticas sejam dirigidas a sociedade americana do sec. XIX.

Curiosidades:
Ano de lançamento: 1884
Autor: Mark Twain 
Filmes: 
1960: Dirigido por Michael Curtiz, e como astros prinicipais Tony Randall, Eddie Hodges e Archie Moore. Para mais informações clique AQUI.
1993: Dirigido por: Stephen Sommers , e como astros principais Elijah Wood (isso mesmo aquele que fez o Frodo em o Senhor dos Anéis) e Courtney B. Vance
Para mais informações clique AQUI.
Capa Original X Minha Capa
 























 

Polêmica: Por ser uma obra de 1884, a forma como Huck se refere a Jim pode ser vista de forma bastante preconceituosa, pois ele muitas vezes refere-se a Jim como "Negro", ou dizendo expressões do tipo "ele é um negro de alma branca". Por isso muitos tratam a obra como preconceituosa, como de fato pelas expressões pode parecer, mas ao meu ver apesar de não gostar da forma como Huck fala, obra retrata o jeito de falar e pensar de sua época, que de fato era (e ainda é, todos sabemos como os americanos são preconceituosos) preconceituosa.

Resenha: Desventuras em série: Mau Começo/Cia das Letras



"Há muito tipos de livros no mundo, o que faz sentido, por que há muitos e muitos tipos de pessoas  e os gostos são diferentes. Por exemplo, pessoas que detestam historias em que acontecem coisas horríveis a crianças deveriam fechar este livro imediatamente." pág. 78

Os irmãos Baudelaire vivem uma vida normal com seus pais e na sua excelente casa, Violet de 14 anos com suas invenções, Klaus de 12 anos e os livros e Sunny ainda bebe e os seus dentinhos muito afiados, mas tudo muda quando uma grande tragédia se abate sobre eles.

De uma só vez perdem os pais e a casa num terrível incêndio, e com isso as desventuras dos irmãso começam. De acordo com o testamento dos seus pais os tres deveriam morar apenas com parentes, infelizmente para eles o parente mais proximo é pra lá de estranho.

Conde Olaf, não é nem de longe o que se pode chamar de pai ideal nem mesmo uma pessoa agradável, ambicioso, ganancioso e trambiqueiro, seus planos para as crianças são sinistros. E bota sinistro nisso, ao ameaçar a vida da menor das Baudelaire, Conde Olaf tem Violet e Klaus em suas mãos, ele arma uma peça de teatro junto com sua companhia aparetemente ele é ator, mas imagino que é bom somente em enganar os outros e nesta peça haverá um casamento, sendo ele e Violet os protagonistas, para validar o casamento ele convida sua vizinha para interpretar o papel de juiza no casamento, o problema é que ela é uma juiza de verdade, assim o casamento que seria encenado acabaria por se concretizar de verdade, e assim ele poderia usurpar todo o dinheiro dos jovens Baudelaire.

Como o próprio autor deixa bem claro no inicio, meio e fim do livro que os irmãos Baudelaire não terão final feliz, mesmo quando as coisas parecem dar certo, a vida sempre dá uma rasteira neles. Então tenha bastante cuidado, se você gosta de finais felizes, esse livro talvez não é a melhor opção de leitura para você.

Eu ouvi uma frase uma vez que é assim "A covardia do final feliz é a derrota de qualquer históra", e ela se encaixa perfeitamente nesse livro, depois de todos os avisos do autor e das desventuras dos irmãos, não se podia esperar que o final fosse feliz e se fosse perderia todo o crédito. Uma das coisas que eu mais gostei no livro é o amor entre os irmãos e como eles cuidam um dos outros e são unidos mesmo quando as coisas insistem em dar errado.

Lemony é o narrador da historia mas não aparece, seu humor chega a ser negro em algumas partes, mas nada horrivel, mas fiquei muitas vezes com pena dos Baudelaire, por que as crianças realmente não merecem essas desventuras.

Em 2004 foi lançado o filme baseado na série, o filme é a compilação dos tres primeiros volumes Mau Começo/ A sala dos reptéis/O lago das sanguessugas com Jim Carrey como Conde Olaf.


Violet, Klaus e Sunny
Jim Carrey como Conde Olaf
Para finalizar uma informação muito importante, Desventuras em Série é uma série composta por 13 livros, então tenha em mente que ao começar a lê-la, vai precisar percorrer muitas páginas para completar a historias.


Beijos e até
a próxima.

Resenha: A Garota Americana - Meg Cabot/Galera Record


 
Hoje vim falar de um livro que é muito especial para mim, além de ser o primeiro livro da minha coleção que se encaminha para os 100, ele representou um conforto em um momento muito difícil em minha vida.

Quando eu tinha 16 anos, a minha vida estava uma bagunça, muitos problemas em casa. Então num belo dia sem muita pretensão entrei numa livraria e fiquei um tempão lá admirando os livros, até que me deparei com esse livro e me encantei de cara, levei comigo mesmo tendo achando meio caro.

Apesar de adorar a historia de A Garota Americana, não é exatamente pelos devaneios para lá de engraçado de Samantha Maddinson que eu me apeguei ao livro, e sim por que ele representou um refugio, um descanso dos conflitos em casa. E é por isso que eu amo tanto esse livro.

Mas vamos a historia que e o que interessa...

Samantha Madinson, nerd, cidadã de Washington, pais insensíveis é uma adolescente comum, detesta o cabelo ruivo, não gosta da escola, se sente ofuscada pela irmã mais velha, acha que o universo conspira contra ela, detesta qualquer legume, vive grudada na melhor amiga e é apaixonada secretamente por  Jack, que por acaso é namorado de sua irmã.

Sam desenha muito bem, por isso decide vender desenhos de celebridades para os alunos de sua escola. Só que quando é pega fazendo isso, seus pais ficam muito bravos, e como castigo será obrigada a freqüentar aulas de artes. O que não a deixa nada feliz, assim começará a freqüentar  as aulas de Suzan Bone, e isso vai mudar muito a sua vida.

Se você estivesse inocentemente burlando uma aula de arte da qual você não gostaria de frequentar e de repente você visse um cara prestes a atirar no presidente qual atitude tomararia? Bem Samantha não pensou muito e simplesmente se jogou em cima do cara e salvou o presidente. Que serviço secreto que nada, esse é um trabalho para a Super Sam.

Após o ato de coragem Sam se tornou uma heroína, por que ora ELA SALVOU O PRESIDENTE DOS EUA. E a fama é tanta que ela se torna Embaixadora Teen, mesmo que isso não represente muita coisa de fato.

Entre responsabilidades como participar de eventos com o presidente, servir como exemplo para toda a nação, e ainda ter que lidar com o fato da equipe presidencial não respeitar sua opinião, Sam passa a ficar muito tempo com David, filho do presidente que é muito gato e parece estar muito mais interessado do que amizade e lidar com a paixonite pelo namorado da irmã que diminui cada vez mais que ela passa tempo com David.

Mas um problema surge quando Sam e nomeada para ser jurada num concurso cultural, em que deveria escolher o melhor quadro que represente o que a pessoa via pela janela do quarto. Sam escolhe um quadro, mas é impedida de elege-lo como vitorioso, pois ele não representa algo positivo para o governo. Como ninguém a ouve, ela pede ajuda a David que diz que não pode fazer nada, pois o pai dele não o ouviria. Mas na discussão com ele, ela acaba o magoando e eles ficam sem se falar, e ela acaba percebendo o quanto gosta dele.

Mas com muita esperteza ela vai conseguir dar um jeito nas coisas. Digamos  que o governo não gosta de publicidade negativa, e David ah! você precisa ler para saber.

Hoje depois de 7 anos, já superei aquela angustia. Reli o livro diversas vezes para me divertir com a Sam, ri mais ainda com o segundo volume. E você tem alguma relação especial com a algum livro?

Para saber mais sobre Meg Cabot, clique aqui!


Resenha: Visão do Além - Charlaine Harris/Lua de Papel


Esse livro é aquele tipo que se escolhe pela capa, que para mim é simplesmente LINDA! E a historia não deixa a desejar, uma trama envolvente que te prende, e você se pega tentanto desvendar todo o misterio que se desenrola.

Harper Conelly tem um dom ou seria maldição um tanto sinistro, consegue saber aonde estão corpos de pessoas mortas, mas não é uma coisa que ela invoque, se tiver um corpo mesmo que escondido proximo a ela ou  até mesmo a uma certa distancia ela consegue achar, além disso tem um vislumbre de como as mortes aconteram, porém não pode ver o rosto do assassino (os). O que acontece com Harper começou logo após ela ser atingida por um raio quando era adolescente barra pesada, quando vivia em um lar totalmente desestruturado com pais ausentes e usuarios de drogas, o único apoio que tinha era dos irmãos. Mesmo vivendo em um lar dificil, ela e os irmãos conseguiam se manter, mas após o desaparecimento da irmã mais velha, todos foram separados, e o sumiço da irmã será para sempre Harper uma ferida aberta no coração.

Quando já adultos para conseguir se manter, Harper e o irmão Tolliver tem um negócio, ela usando seu dom ? e ele servindo como um segurança-assistente-braçodireito, eles são contratados para achar corpos de pessoas desaparecidas ou as vezes só para descobrir a causa da morte e cobram caro por isso, mas nem sempre tudo acaba bem, muitas clientes são hostis com eles quando o serviço está feito, como se tivessem alguma culpa pelo ocorrido, e são constantemente acusados de enganar pessoas que estão no momento mais frágil de suas vidas, a perda de um ente querido. 

E o que acontece em Sarne não é diferente. Eles são é contratados para achar o corpo de uma adolescente que está desaparecida a seis meses, e mesmo tendo sido contratados por uma das familias mais influentes da cidade não são recebidos com bons olhos por ninguém. Mas como não estam ali para fazer amizades, fazem seu trabalho achando o corpo da menina na floresta, e indicando a causa da morte. Como acontece em muitos casos só recebem o pagamento após ser confirmada a indentidade do cadaver, por isso tem que ficar na cidade por mais um dia.

Quando já estão rumo a um outro serviço acontece um assassinato que tem relação com a menina encontrada na floresta, e terão que permanecer por mais um tempo na cidade. Porém os habitantes de Sarne parecem não querer que eles fiquem por lá, e a hostilidade com eles só faz aumenar, e todos  inclusive eles se tornam suspeitos. Diante do ocorrido Harper e Tolliver são obrigados a fazer algo totalmente diferente do que estão acostumados, se envolver na investigação e ficar cara a cara com o assassino (os).

Eu adoro um suspense e quem não gosta, e esse livro é tão bom quanto eu achei que fosse, eu também gosto dessas tramas que se passam em cidades pequenas onde todos são suspeitos e ninguém é o que parece, e você acaba se envolvendo querendo saber quem é o assassino. E apesar de ser um série que além deste livro  tem mais tres continuações publicadas lá fora, a historia se encerra neste livro, não precisa ficar morrendo de vontade de ler a continuação para saber como a historia vai terminar, mas mesmo assim eu estou ansiosa para ler a continuação, pois quero mais historias da Harper e seu irmão.


O livro tem mais três sequências, o segundo volume foi lançado esse ano no Brasil com o nome de Surpresa do Além (SKOOB).

Projeto: Um clássico por mês



O que mais me intriga em um livro clássico, é o fato dele ainda ser lembrado décadas, e mesmo séculos depois do seu lançamento, e ainda continuarem atuais e aclamados por muitos.

Confesso que quando estava na escola eu nunca fui à maior entusiasta nas aulas de literatura. A verdade é que achava muito chato (é verdade), por que a única coisa que nós estudávamos era o movimento literário em Portugal e a reprodução desse aqui no Brasil, não se falava em mais nada, em nenhum outro autor que não fosse português ou brasileiro. E o fato é que as historias não me chamavam atenção, e naquela época eu me limitei a ler Senhora de José de Alencar, ver o filme O Cortiço e tentar ler inúmeras vezes O Ateneu sem sucesso. O único autor brasileiro que eu gostei mesmo é Álvares de Azevedo, pois tinha uns poemas bem interessantes e José Saramago, por que eu fiquei curiosa com O Evangelho Segundo Jesus Cristo e toda a polêmica com a Igreja Católica.  

Talvez aquela época tenha me traumatizado, pois demorei muito para ler um clássico outra vez. Entendo a importância e dou o maior valor aos autores clássicos de nossa terra, mas as historias infelizmente nunca me não despertaram o interesse (só alguns poucos).

Ano passado depois de ler o livro  Ler, viver e amar alguma coisa mudou em mim, a personagem que é viciada em livros faz várias referências a livros clássicos da literatura americana, inglesa, russa e eu fiquei muito intrigada em conhecer esses livros. Uma coisa que eu tenho que dizer sobre mim é meu fascínio por coisas antigas, filmes, moda, musica, história (o grande amor da minha vida), arte, então não poderia ser diferente com literatura, só demorou mais para acontecer.

Queria começar a ler então O Morro dos Ventos Uivantes, mas acabei não encontrando e fiquei com Orgulho e Preconceito, e foi uma leitura muito boa. O livro é fantástico, e por mais que tenha sido escrito em 1813, não é difícil de entender que expõe a dificuldade em ser mulher naquela época, onde a honra estava à cima de tudo e a mulher tinha pouco ou quase nenhum direito. O próximo foi O Morro dos Ventos Uivantes, e de uma vez por todas entendi por que as pessoas falam tanto desse livro, com toda razão já que é magnífico, e todos podem dizer o que quiser mais Heatchcliff é um dos melhores personagens da literatura.

Ainda tenho muitos para ler e conhecer, por isso decidi fazer aqui no blog uma coluna para resenhar os clássicos, e falar um pouco sobre os autores e a época em que viveram, não sou especialista por isso não vou me aprofundar muito em debates sobre o que a obra representa na historia da literatura, mas farei o possível para dar um parecer. Meu objetivo é divulgar essas obras para pessoas que talvez não as conheça, e também para saber a opinião daqueles que já as leram.

Eu já tenho uma programação prévia dos livros que resenharei de março a dezembro, mas como muitos eu ainda não tenho, pode ser que a ordem se inverta, mas é certo que serão esses os livros:

  • As aventuras Huckleberry Finn - Mark Twain (Skoob)
  • O retrato de Dorian Grey - Oscar Wilde (Skoob)
  • As Crônicas de Nárnia - C.S. Lewis (Skoob)
  • Frankenstein – Mary Shelley (Skoob)
  • O Grande Gatsby – F. Scott Fitzgerald (Skoob)
  • Um Estudo em Vermelho - Sir Arthur Conan Doyle (Skoob)
  • O Amante de Lady Chartterley - D. H. Lawrence (Skoob)
  • A letra Escarlate - Nathaniel Hawthorne (Skoob) 
  • Por quem os sinos dobram - Ernest Hemingway (Skoob)
  • Ana Karênina - Liev Tolstói (Skoob)

    Resenha: Emily The Strange: Os dias perdidos - Rob Reger/Galera Record

     Ela não é uma gracinha?
     
    Sabe aquele livro que você compra por que achou a capa bonita?  Foi exatamente isso que me ocorreu com esse livro, e apesar do preço salgado, que só vi quando cheguei no caixa, foi uma leitura que valeu muito a pena. Um suspense leve, divertido e rapidinho de ler, e é impossível não se encantar com a personagem principal, uma garota muito inteligente e perspicaz envolta em um mistério aparentemente insolúvel.

    Quando acorda no banco de uma praça em uma cidadezinha aparentemente desconhecida, Emily não faz idéia de onde esteja, até por que não consegue se lembrar de nada, seus único pertences são um caderno, um lápis e um estilingue, o que não dá nenhuma pista de quem ela seja.

    Confusa, decide explorar a cidade para ver se reconhece algo, logo de cara percebe que não é dali, não só por que não reconhece nada, mas por que as pessoas nas ruas também não a reconhecem, na verdade eles a olham de cara feia  como se não gostassem de sua presença. 

    Assim explorando a cidade chega a um restaurante chamado El Dugeon, entra na esperança de conseguir alguma informação. Raven é a garçonete com quem Emily conversa, e estranhamente se identifica como Lacraia quando ela pergunta com é o seu nome. Mas Lacraia (Emily) não consegue muitas informações com Ravem já que ela não é muito de conversar e aparentemente tem uns neurônios a menos.

    Ela então decide ficar por ali, para ver o que acontece já que também não tem para onde ir mesmo.  Em troca de alguns serviços, como concertar a máquina de café, ou varrer o chão, Ravem da o que comer e beber a Lacraia, para dormir ela se arranja numa caixa de geladeira no beco atrás do Dugeon, e lá divide o espaço com quatro gatos pretos que se o tornam seus amigos inseparáveis. Os dias passam e nada da memória de Lacraia voltar, e a cidade e seus habitantes vão se mostrando cada vez mais esquisitos,  há alguma coisa de muito errado por ali, embora Lacraia ainda não saiba bem o quê.

    De todas as coisas estranhas que acontecem em BlackRock (e acontecem muitas) o mais estranho é que as autoridades se preocupam muito mais em aplicar multas absurdas na menina, como por exemplo tirar foto de uma monumento histórico, ou estacionar uma caixa de geladeira em local proibido, hã como assim? do que o motivo pelo qual uma menina de 13 anos esta fazendo sozinha, numa cidade onde ninguém a conhece, talvez eles achem que ela esta com o circo que esta na cidade, mas mesmo assim é muito estranho.
     
    Afinal, Quem é Lacraia (Emily)? E o que ela esta fazendo em BlackRock?

    O começo do livro é um pouco confuso dado a amnésia da personagem, mas no desenrolar da historia as coisas vão se encaixando e fazendo sentido. E o final é surpreendente, e muito engraçado. Emily é uma personagem muito divertida, e tem bastante senso de humor para uma menina gótica de 13 anos, que tem uma opinião bastante firme sobre os seres humanos, preferindo sempre que possível os gatos. O livro é contado em forma de diário, por isso vamos sabendo tudo do ponto de vista da Emily, que adora fazer listinhas sempre contado 13 itens que são muito engraçadas. É uma historia infanto-juvenil bem levizinha, mas se voce der uma chance aposto que vai amar a Emily assim como eu.

    O trabalho de diagramação é perfeito, o livro é uma obra de arte. Com capa dura, folhas mais resistente, e cheio de desenhos sempre nas cores preto, branco e vermelho, vale a pena cada centavo que é gasto na compra. E a Emily não é personagem de um livro só, há mais continuações lançadas lá fora, mas ainda sem previsão de chegada por aqui, são elas:

    Emily the Strange: Stranger and Stranger #2
    Emily the Strange: Dark Times #3
    Emily The Stranger: The Rock Issue #4

    Emily é uma personagem criada na década de 90 usada como uma estampa de adesivos para skatistas mas ficou tão famosa que ganhou uma linha de roupas (que voce pode conferir aqui)  histórias em quadrinhos e agora um filme. Emily vai para as telas de cinema, e a atriz cotada para fazer a personagem é Chloë Moretz mas conhecida pelo seu papel em Kick Ass e também esta no filme A invenção de Hugo Cabret que ganhou 5 oscars: 


    Eu amei tanto o livro, que tirei umas fotinhas para vocês verem o capricho da Galera Record com o livro:

     

    Mais um detalhe, na foto 3/4 os gatinhos formam as palavras Emily Strange.