Um desafio realmente desafiante




Ler é um prazer, um hábito, um vicio, e esse ano foi muito especial para mim, por que tive a oportunidade de comprar todos os livros que eu tinha uma vontade enorme de ler, é claro que eles formaram uma lista de livros gigantesca para eu ler, mas isso é um prazer,  eu tento seguir essa listinha, mas as vezes eu trapaceio e passo um o outro livrinho na frente, mas só as vezes.
Eu resolvi criar um blog para poder falar dos livros que eu leio, dos que quero ler, daqueles que não me agradaram muito e também para falar de alguns outros assuntos do meu interesse, fico feliz por ter conhecido tantos blogs interessantes e blogueiras maravilhosas, que sempre te fazem aumentar sua lista de livros desejados, por que sempre tem ótimas resenhas, e foi num desses blogs que eu tanto gosto, no Leitora compulsiva que fiquei sabendo do Desafio Literário que está rolando no blog Silencio que eu to lendo, chegando o fim de ano sempre rola uns desafios literários na blogsfera, porém alguns, você tem que decidir os livros que vai ler de antemão, ai não dá né, eu nem sei o que vou comer no almoço amanhã, que dirá o que lerei pelos próximos meses, e eu também não gosto de seguir regras muitas estritas por que acabo desistindo, por isso achei muito interessante esse, por que dá mais liberdade para escolher os livros que farão parte do roteiro do desafio.

Cada mês tem uma temática, e elas são:
Janeiro: Ler um livro de um autor europeu. (Marina - Carlos Ruiz Zafon) Resenha AQUI!
Fevereiro: Ler um livro que tenha um personagem com a inicial do nome igual a do seu nome. (Julieta Imortal - Stacey Jay) Resenha AQUI!
Março: Ler um livro com a capa verde, vermelha ou azul. (Amante Sombrio - J.R.Ward)
Abril: Ler um livro que tenha cenas que se passem na África ou na Ásia. Não precisa ser o livro todo, mas pelo menos algumas cenas. (As aventuras de uma pseudovirgem - Iris Bahr)
Maio: Ler um livro que seja o ultimo de alguma serie.
Junho: Ler um livro que Virou filme.
Julho: Ler um livro com mais de 500 paginas.
Agosto: Ler um livro lançado no ano do seu nascimento. ( A maldição do silencio)
Setembro: Ler um livro de um autor que já é falecido.
Outubro: Ler um livro de um autor do seu estado.
Novembro: Ler um livro bem fininho. Com menos de 200 paginas.
Dezembro: Ler um livro que você tenha ganhado de presente

Tirando o livro que foi lançado no ano que eu nasci que é o mais complicado os outros não são tão difícil assim, já tenho os livros para os três primeiros meses, depois começa a complicar um pouquinho, nada que uma boa pesquisa não de jeito, mas eu acho todos, assim espero,  que rufem os tambores e que venha 2012.
Se você quiser participar as inscrições estão sendo feitas no blog Silencio que eu to lendo, então sai um pouco da rotina e vem participar também, não é preciso ter um blog, mas precisa ter um lugar onde postar o comentário sobre o livro, com o skoob por exemplo.
Beijos e feliz natal e feliz ano novo.

Vampiros e Cia.

Depois do sucesso mundial da Saga Crepúsculo, várias outras historias com narrativas vampirescas surgiram, algumas até mais antigas que foram relançadas, fazendo que os vampiros se tornassem o centro das atenções me recuso a falar modinha e se tornassem objetos de amor para uns e ódio para outros.

Há características nesses vampiros da nova era muito diferentes dos clássicos como os de Anne Ricce ou Bam Stroker, os vampiros são mais sensíveis, não queimam em contato com o sol, podem entrar livremente em qualquer residência independente da permissão, estão sempre envolvidos em romances inter-espécies, são vegetarianos e com crises existências. Claro que essas características são utilizadas para dar mais fluidez a historia e atingir um publico maior, desfazendo completamente a imagem de criatura das trevas, morta-viva que se alimenta de seres humanos e os usam como animais de estimação, que queimam ao contato com o sol e não tem permissão para entrar em nenhuma residência sem ser convidado, essas novas historias desfazem completamente essa imagem da criatura grotesca que permeia o imaginário há séculos, e exatamente por isso ganham mais fãs.

Como grande fã de vampiros, o que eu sempre gostei nas historias que li, ou nos filmes que vi, era a parte da transformação, quando o vampiro libera suas presas pontiagudas e as crava no pescoço da vitima um tanto sanguinário da minha parte e a transformação a partir dái, o fato de que para se tornar vampiro você teria que ser mordido por um vampiro, sempre achei essa parte sensual não me pergunte por que, mas não é bem assim que acontece em alguns romances sobrenaturais contemporâneos, em algumas historias como, por exemplo, House of Night, as pessoas já nascem vampiros, e até a adolescência levam uma vida normal, quando são marcados pela deusa Nyx e enviados a uma escola para poder sobreviver ao processo de transformação.

Não estou falando aqui, que eu detesto essas historias e que prefiro somente os clássicos literários sobre o assunto, muito pelo contrario eu amo essas historias, e até acho que algumas mudanças são interessantes como poder andar sobre o sol a não ser que brilhe, ai eu acho ridículo, quem brilha é fada pois trás mais possibilidades a historia, mais o processo de transformação para mim é sagrado, é a única característica para mim que não deveria ser alterada, mas mesmo quando é, há outros elementos que provocam interesse na historia, como personagens marcantes, historias cheias de segredos e lutas por poder e amor. Outra característica dos vampiros da nova era é que eles são todos românticos, estão sempre apaixonados tentando salvar suas mocinhas (sempre humanas) do perigo seja ele qual for, beirando a chatice suprema em algumas histórias é Edward estou falando de você.

A questão é saber dá suporte a essas características alteradas, saber fundamentar a historia, conseguir fazer com que a trama prenda a atenção, que os personagens sejam cativantes e que a trama não gire somente em torno de um romance sobrenatural e suas conseqüências.

Você deve achar que eu faço parte das pessoas que detestam Crepúsculo, não totalmente, eu não sou assim a maior fã do mundo. A narrativa da Stephanie Meyer não me convenceu, não que ela seja uma má escritora, só acho que sobre vampiros ela não soube escrever, o que eu acho sinceramente é que Crepúsculo foi escrito para atingir um publico alvo do qual eu faço parte e gerar lucro, pode ser que eu esteja errada, claro, mas não me convenci do contrario ainda.

A única característica que prevalece em todas as historias é a imortalidade dos vampiros, pelo menos uma, a imortalidade para os vampiros é como uma maldição, que atormenta muitas personagens famosos principalmente pela culpa por matar humanos para se alimentar, o que leva muitos a optar por sangue animal se tornando ironicamente  vegetarianos. Mas também não haveria como ser uma historia de vampiro se este não fosse imortal.

Eu gosto muito dos romances sobrenaturais, e os vampiros são fascinantes, mas não é qualquer historia que me convence, lógico que eu sei que é são historias de fantasia, uma ficção, mas mesmo assim acho que tem regras que tem de ser seguidas, não se pode sair por ai inventando qualquer coisa, há coisas que nem mesmo os fãs desse gênero aturam como brilhar no sol,  há autores que criaram verdadeiros mundos de fantasia, que mesmo que possam parecer absurdos há luz da razão fazem total sentido numa  historia de fantasia, e isso é o mais importante.  Veja J.k. Rowling criou todo um mundo fantástico, pegando elementos históricos e mitológicos, que casam perfeitamente com a historia, fazer sentido é o mais importante, e algumas historias por ai não são assim.

Resenha: Strange Angels


Já tenho esse livro faz tempo, só comprei por que minha irmã achou a capa bonita e insistiu para eu comprar para ela, e o livro ficou lá paradão na estante, até que decidi dá uma chance para ele, pensei que na pior das hipóteses fecharia o livro, apesar de não ter esse habito, mas fui até o fim bravamente.

Dru Anderson tem 16 anos e junto com o pai viaja pelos EUA caçando criaturas sobrenaturais (no maior estilo Supernatural), e diferente das garotas de sua idade que se preocupam apenas com roupas e encontros, Dru se preocupa se arma esta carregada ou se saíra viva de um ataque de zumbi. Ela é durona e esta sempre preparada para a briga, o que eu acho um ponto positivo, já que detesto protagonistas paradonas que ficam esperando ser salvas e não fazem nada. Porém ela se perde nos pensamentos demais.

Aos cinco anos de idade Dru perdeu a mãe, e a partir daí sua vida mudou para sempre, seu lar feliz se desfez e ela foi morar com avó, seu pai surtou e saiu pelo mundo, voltando de vez em quando, muitas vezes ferido, sem nunca dizer o que estava fazendo. A sua avó era uma sensitiva, uma espécie de curandeira, e passou para neta seus conhecimentos durante o tempo em que moraram juntas, como uma especie de preparação, até que mais uma tragédia se abate sobre a vida de Dru, aos doze anos sua avó morre, então ela passa a morar definitivamente com o pai e assim sua temporada de caça começa.

Eles nunca permanecem muito tempo em um mesmo local, só o tempo suficiente para caçar e matar o que quer que seja. E mesmo no meio dessa loucura toda Dru freqüenta a escola, a historia começa quando se mudam para uma pequena cidade do estado da Dakota, seu pai não diz nada sobre o que, ou quem eles foram procurar ali, e em seu primeiro dia na escola nova, antes de sair de casa uma sensação de que algo ruim irá acontecer toma conta de Dru, a mesma sensação que teve antes de sua avó falecer, ela não fala nada para o seu pai mesmo quando ele diz que irá sair para caçar algo e diz que ela não irá junto, por que tem aula de manhã, a partir daí sua vida muda mais uma vez, seu pai não retorna mas para casa e ela se culpa por não ter dito a ele sobre a sensação que teve.

Sozinha Dru encontra apoio em Graves, o garoto gótico que conheceu no primeiro dia de colégio, apesar da relutancia em confiar nas pessoas não lhe resta alternativa, já que Graves se mostra bastante amigavel, e lhe dá abrigo ela sai da casa após ser atacada por um zumbi, Graves não tem família, mora sozinho e escondido dentro do shopping da cidade e para lá leva Dru, mesmo escondidos lá a noite Dru e Graves são atacados por lobisomens, usando todo seu conhecimento consegue despistá-los e fugir, sem alternativa volta para a casa onde estava morando com o pai e leva Graves junto pois ele acabou sendo ferido, então percebe que agora a caça é ela.

Algo esta caçando Dru, algo que ela não faz a mínima idéia do que seja, sua vontade é sair dali imediatamente, mas primeiro ela tem que achar a caminhonete do seu pai,  quando consegue achá-la é atacada pelo mesmo lobisomem que estava no shopping, dessa vez ela é ajudada por um cara misterioso, de cara ela percebe que ele não  é humano, ele não a ataca, pelo contrario diz que ele é seu guardião e que ela esta correndo grande risco, há algo mal e velho atrás dela, algo que esta caçando Dru e a quer morta. Assim Christophe entra na historia, ele faz parte de uma sociedade de caçadores, esses profissionais, que estão há muito tempo, atrás deste antigo mal que quer Dru morta, e revela que era o que seu pai estava caçando e que isso é o responsável pelo o que aconteceu com ele. Apesar de ser desconfiada por natureza, não lhe resta nenhuma alternativa a não ser acreditar em Christophe, porém só depois de confirmar a historia com um velho amigo do seu pai.

O perigo esta cada vez mais perto e a hora de enfrentá-lo vai se aproximando cada vez mais rápido, em meio a toda essa confusão tem que lidar com revelações surpreendentes sobre sua família e seu destino. Ao encarar o perigo de frente mais revelações são feitas, revelações dolorosas, difíceis de assimilar, e que mudarão para sempre sua vida.

O que, mas me decepcionou foi que eu esperava uma historia diferente. De cara a historia parece promissora, uma filha e seu pai viajando pelo EUA atrás de criaturas que aterrorizam os seres humanos, lembrando muito o seriado Supernatural, mas as diferenças param por ai, e por isso a historia acaba se revelando as vezes chata e confusa. As cenas de ação são mal escritas, você não consegue se situar, não dá para entender direito o que esta acontecendo. Algumas partes da historia me fizeram sentir a sensação de que já tinha visto aquilo em outro lugar e simplesmente não me convenceram. Eu até leria a continuação, por que pode ser que a historia fique melhor, mas não coloco como prioridade na minha lista de leitura, mas se por um acaso Graves, Dru e Cristophe formarem um triangulo amoroso, aí mesmo que eu não leio nem se ganhar o livro, por que ai eu vou achar apelativo.

Um ponto negativo é a tradução, cheia de erros e abreviações que deixam a historia maçante de ler, ninguém na historia fala “você”, eles  falam “cê” toda hora, todos os diálogos são assim, o que irrita profundamente. Há outras gírias mal empregadas que chegam a tirar a vontade de ler a historia. O livro em inglês parece ser melhor de ler do que em português, porém, meu inglês não chega a tanto e meu interesse muito menos.

Pode até ser que no desenrolar das próximas continuações, por que sim o livro já tem três continuações lançadas, a historia melhore, mas definitivamente esse primeiro livro não me causou uma boa impressão, no final das contas parece um resumão de outras séries já lançadas com elementos estranhíssimos e confusos. Eu não fiquei com uma boa imprensão, não recomendaria este livro, já que há no mercado literario obras mais interessantes e mais bem fundamentadas.