Dicas para ler quadrinhos

Para qualquer um que quer começar a ler quadrinhos de super-heróis, a maior dúvida é saber por onde começar, afinal de contas, são décadas de histórias, diversos universos, inúmeros reboots, incontáveis arcos, se a pessoa não tiver paciência e força de vontade, acaba desistindo. Essa é a primeira dica para quem quer começar, tenha calma, ninguém aprende tudo de uma vez. 

Tudo que sei sobre super herois é baseado em filmes, séries e desenhos, por um bom tempo, para mim foi o suficiente, mas tudo mudou depois que li Guerra Civil, a interação entre os heróis e a trama proposta me fez enxergar as HQs de forma diferente, depois dessa leitura marcante, fui atrás de dicas para ingressar nesse mundo nerd maravilhoso, ainda estou aprendendo e descobrindo o que há de bom nesse universo de HQs. Por isso resolvi compartilhar com vocês o que mais tem me ajudado a entender esse assunto que parece um bicho de sete cabeças.

Fiquem atentos!!

  • Não há fórmula mágica
Não existe uma forma certa de começar a ler quadrinhos, tudo depende de você. Para cada um funciona de um jeito, não procure fórmulas mágicas, elas não existem. 

  • Pesquise em vlogs e sites especializados; 
Eu não fazia ideia da quantidade de conteúdo sobre quadrinhos produzido por vlogs e sites nacionais, além das dicas de como e por onde começar, ainda é possível entender como funciona o mercado editorial no Brasil, acompanhar resenhas de graphic novels clássicas, e de novos lançamentos.

  •  Comece pelos encadernados;
O ideal é começar pelos encadernados, por que as histórias são completas e o risco de perder uma edição é menor, é importante pesquisar em quantos volumes o encadernado que você quer ler irá ser publicado,  não é um número fixo, pode ser um, dois, ou mais. Fique ligado para não perder nenhum. Outra dica importante é dar preferência por um herói que você goste, seja ele qual for. 

  • Tenha calma! Procure sobre o que quer ler, não dá para comprar tudo de vez;
Eu sei, entendo a vontade de querer todos os quadrinhos do mundo, mas vá devagar. Não importa se for Marvel ou DC, não dá para comprar tudo de vez, além da enorme variedade de material, nem sempre o nível de qualidade se mantêm, por isso, procure resenhas dos títulos antes de comprar, a maioria dos vlogs/blogs dedicados ao assunto, possuem resenhas sem spoilers, que não vão estragar a sua diversão, e ainda podem te tirar de uma roubada. 

  • Onde comprar?
Eu não costumo comprar em bancas, por que é difícil acompanhar aqui da minha cidade, por isso, opto pelas lojas online, minha preferida é a Comix, é lá que eu compro hq's e mangás, costuma demorar um pouco, mas sempre chega certinho. É claro que existem outras opções, tem a Amazon BR, que costuma entregar na velocidade da luz, a Livraria Cultura, que tem um acervo grande de títulos em ingles, e a Liga HQ, que nunca comprei, mas tem uma boa reputação. Fica a seu critério por onde você quer comprar suas HQ's

  • Canais e sites recomendados


Acompanhe o blog:
Twitter  ♥  Facebook  ♥  Instagram 

Os melhores de 2015

O ano passou voando, quando vi já era dezembro e estava montando a árvore de natal, e agora já é quase fim de janeiro. 2015 foi um ano bom em vários sentidos, cresci profissionalmente, fui a um show fantástico, coloquei a casa em ordem, comecei a ler Harry Potter, vi filmes incríveis, vi doramas, fui a Bienal!!!!, deixei o cabelo crescer, venci o Rio de Janeiro, e se possível, fiquei ainda mais nerd e fujoshi.

Enfim, foi um ano especial e para começar 2016 com o pé direito, nada melhor do que relembrar o que fez de 2015 um ano tão bom, para não fazer um post sobre cada assunto, vou escrever tudo aqui mesmo, assim, emboladinho. Espero que gostem!!!

Cinema: Star Wars: O despertar da força
Não tenho vergonha de dizer que só comecei a gostar de Star Wars agora, todo esse hype que o novo filme gerou, me deixou curiosa para entender por que esse universo é tão amado. Acho que nunca é tarde para se tornar fã. Agora quero conhecer mais do universo expandido. PS: É fácil entender por que todo mundo é tão apaixonado.

Séries: Sense8
Assinei a Netflix só por causa de Sense8, obviamente foi a melhor coisa que já fiz na minha vida! A série é divertida, mesmo quando você não esta entendendo nada, os personagens, a maioria pelo menos, são apaixonantes, como a Sun, que é minha diva, lutadora, fodona, lacradora. Eu preciso da segunda temporada já!!

Música: Made - Big Bang
Em 2015, o Big Bang fez o seu comeback, quase três anos depois do sucesso Fantastic Baby, e eu tive a oportunidade fantástica(!) de conhecer e me apaixonar por esse grupo, que hoje é o meu favorito absoluto. O albúm Made teve 8 faixas, acompanhadas de 7 MV's, foram meses curtindo e esperando qual seria o próximo lançamento e como ele acabaria comigo, minhas músicas favoritas foram: Bae Bae, Bang Bang Bang e Let's Not Fall in Love.   

Livros: Cut and Run (série)
Cut and Run é uma série de nove livros, que conta desde o início o relacionamento entre os agentes do FBI Tyler Beaumont e Zane Garret, a principio os dois se destetam, e formam o casal mais improvável ever, mas a química inegável entre os dois, evolui de uma forte atração, para um relacionamento intenso, cheio de altos e baixos, revelações bombásticas, tiros, violência e amor. Terminei o sétimo livro na semana passada, realizei que falta apenas dois para o fim, não estou lidando muito bem, esta difícil.

Game: Remember Me
Remember me é exatamente o tipo de jogo que eu gosto: sair por aí distribuindo porrada, é relaxante. O jogo foi lançado em 2013, não sei se teve repercussão na época, por que é um jogo pouco falado, mas é sensacional. Vi um gameplay num canal gringo, e fiquei obcecada, ele é simples, mas tem suas dificuldades, uns puzzles legais, e até um plot twist (por mais que estivesse na cara).

HQ's//Mangás//Graphic Novel: Muitas emoções
Eu cumpri a minha principal meta literária do ano, li mais de 50 mangás/hq's/graphic novels, portanto escolher os melhores é um pouco difícil, por que cada um foi especial a sua maneira. Para eleger de forma justa, vou escolher três, em HQ, a grande surpresa foi Miss Marvel, uma super heroína muçulmana? É claro que eu tinha que ler (a Panini está lançado o primeiro encadernado no Brasil). Meu mangá favorito foi um que me fez chorar de um jeito que nenhum outro tinha feito antes, Dengeki Daisy tem uma história maravilhosa, emocionante e divertida. E por fim, Nimona foi a última coisa que li em 2015 e fez um estrago no meu coração, me levando as lágrimas, a história é bem diferente do que eu esperava, e me conquistou de um jeito único (estou reunindo forças para escrever uma resenha que seja a altura da história).

[TAG] No país das maravilhas

Depois daquele trailer maravilhoso de Alice através do espelho, decidi responder essa tag rapidinha aqui no blog. Espero que gostem!!!!

Alice: um livro que te fez cair em um mundo completamente diferente
Jogos Vorazes. Conhecer os distritos e a crueldade da Capital foi uma imersão num mundo pós-apocalíptico, e minha primeira experiência com distopia, me deixou sem fôlego.

Chapeleiro Maluco: um livro com um protagonista louco
Acho que não li nenhum livro com uma protagonista tão maluca quanto Delilah Darling de Qual o seu número? Em sua roadtrip para reencontrar os ex-namorados, e o futuro marido, Delilah protagoniza situações cômicas que beiram ao absurdo. Acho muito justo dizer que ela é a protagonista mais doida de pedra que eu tive o prazer de ler.  

Coelho Branco: um livro que atrasou suas leituras
Há quase quatro anos atrás, ou mais, realmente não lembro, cai na besteira de ler um livro chamado Melancia, agora, me desculpa se você é fã do livro ou da autora, ô coisinha intragável, a leitura foi arrastada, frustrada, irritante, e traumatizante.

Gato risonho: um livro que te fez rir muito
Um dos meus livros favoritos da Meg Cabot, é o segundo da série Boy, Garoto encontra Garota, ri tanto com esse livro, sabe quando a barriga doí, inclusive, pretendo reler os dois primeiros livros da série de novo, para me apaixonar outra vez por esses personagens.

Lagarta azul: um livro que fez você refletir
Li A cama na varanda, da Regina Navarro Lins, há uns quatro anos, e para o meu eu de 22 anos, cheia de dúvidas sobre a vida, o universo e tudo mais, o que eu encontrei no livro foi um conforto de encontrar respaldo para os meus mais íntimos pensamentos. 

Tweedledee e Tweedledum: dois livros que são parecidos
A série Covenant, da autora Jennifer L. Armentrout, parece ser uma fusão de outras duas: Vampire Academy e Percy Jackson, olha a responsabilidade! Li só o primeiro livro da série, e a história é muito semelhante em vários pontos, mas também tem suas particularidades que a deixa unica. Recomendo!!! 

Rainha de Copas: um livro cujo autor adora matar personagens
Eu não leio mais House of Night, por que depois do livro 6/7 a história começou a ficar chata, mas até hoje uma das mortes que mais me abalaram *SPOILER* foi a morte do Loren Blake no terceiro livro *FIM DO SPOILER* ele era um cafajeste, eu sei, mas não podia ter morrido, sofro até hoje.

Bienal do Livro 2015: A experiência


Dia 12 de setembro foi um dia corrido, acordei cedo, fiquei mais de seis horas em um ônibus, peguei chuva, enfrentei fila, gastei tudo o que tinha, minhas pernas doeram, e fui sozinha para o Rio pela primeira vez, resumindo, apesar do cansaço, e das contas quase no vermelho, o dia em que estive na Bienal foi um dos mais especiais do ano.

Eu moro há umas três horas do Rio, então, no ultimo final de semana da Bienal, eu, minha irmã, e um amigo, pegamos um ônibus às 6:30 rumo a cidade maravilhosa, foi minha primeira experiencia sozinha na cidade, foi amedorentador, por que meus companheiros de viagem eram tão inexperientes quanto eu, felizmente, meu maior problema foi a duração da viagem, nada que tenha retirado a graça do passeio. 

Mesmo sem nenhuma experiencia em me locomover no Rio, fiz o dever de casa direitinho, peguei dicas com conhecidos, pesquisei sobre como chegar ao evento, e também comprei passagens e ingressos antecipados, só assim me senti tranquila para viajar e conseguir aproveitar a Bienal.

Como foi a primeira vez que eu fui, acho que poderia ter feito um planejamento melhor, e aproveitado mais, me divertido muito, veja bem, mas eu estava comprando livro para três pessoas e minha verba acabou rapidinho, e eu não tive coragem de ir em estandes como o da Galera Record e Intrinseca, meu cartão não sobreviveria. Mas eu volto em 2017!!!

A parte mais tensa do passeio foi a volta, comprei passagem para bem tarde, às 22:00, eu queria ver o Jovem Nerd e o Azaghal, mas ficaria muito tarde, então nós decidimos ficar até umas 19:00, porém, por volta das 16:00, estávamos tão cansados e esgotados, que decidimos ir embora para ver se conseguíamos trocar a passagem, só não contávamos com uma coisa, a chuva, e a saída para pegar ônibus estava completamente caótica e desorganizada.

Sem brincadeira, nos saímos da bienal às 16:30 e chegamos na Rodoviária Novo Rio, exatamente às 21:00, pensa na loucura que é isso, fiquei seriamente preocupada de que não conseguiríamos chegar a tempo, não quero nem pensar o que aconteceria se saíssemos de lá na hora que eu pretendia inicialmente.

Apesar dos momentos tensos, foi uma ótima experiencia, aprendi valiosas lições que vão fazer a Bienal de 2017 ser ainda melhor, por exemplo, ir num dia de semana, ou pelo menos, no primeiro final de semana, reservar uma verba maior em cash, e evitar o cartão de crédito, e se possível, ficar num hostel, pelo menos, para aproveitar mais um dia. Tenho certeza que vai ser ainda melhor.

Saldo final: